Corinthians em mais um mata-mata

No confronto com o Botafogo, às 22 horas, no Pacaembu, o vice-líder encara mais um adversário direto na disputa pela conquista do título nacional

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2010 | 00h00

O Campeonato Brasileiro é por pontos corridos, mas o começo do segundo turno mais parece de mata-mata para o Corinthians. Hoje a equipe entra em campo pela sétima rodada do returno encarando seu quinto adversário entre os candidatos ao título. Desafia o Botafogo, às 22 horas, no Pacaembu, na tentativa de deixar um concorrente mais distante do topo da tabela.

Nas outras oportunidades, o Alvinegro pode dizer que foi bem, pois segurou o Atlético-PR, em Curitiba, com 1 a 1, não deixou o Fluminense disparar na tabela ao ganhar por 2 a 1 e deixou o Santos distante ao fazer 3 a 2 na Vila Belmiro. Domingo, perdeu por 3 a 2 para o Internacional, com gol no último minuto, mas o saldo diante dos mais perigosos rivais foi positivo segundo o técnico Adilson Batista, pois sete pontos vieram de confrontos distantes do Pacaembu.

"De nove pontos fora, foram seis e poderiam ter sido sete. Às vezes o time perde, mas mostrando poder de reação, com ambição, o adversário respeita mais. Não que poderia perder, o melhor é vencer todas, mas é impossível", afirma o técnico Adilson Batista, que garante estar bem informado sobre o Botafogo, invicto no Pacaembu ao buscar empate com Palmeiras após sair perdendo por 2 a 0 e ao bater o Santos por 1 a 0. "Um time que vem fazendo bons jogos, bem treinado, bem definido num esquema tático. Temos de ter os devidos cuidados, pois eles precisam vencer para chegar à Libertadores. Perderam peças importantes, como Maicosuel, Jobson e Edno, o que não significa terem perdido a força", alerta o treinador.

Contudo, ainda sem Ronaldo, Chicão e Dentinho, em fase final de recuperação de lesão, o Corinthians promete sufocar os cariocas desde o início. Atuando em casa, são 11 vitórias em 12 jogos como mandante e a ordem é não deixar o adversário respirar. Sair na frente do placar significa poder jogar nos contragolpes. "A importância para quem está buscando o título é pensar em vencer sempre. Estamos em segundo, temos de pensar em ultrapassar o Fluminense, pois nossa ambição e vontade é a de vencer o campeonato", afirma Adilson.

Sem Paulo André, suspenso, Thiago Heleno deve formar a zaga com William. Ralf treinou e, caso não sinta dores no pós-treino, retorna após quatro jogos tratando de entorse no tornozelo.

Alguns titulares, casos de Alessandro, Roberto Carlos e Iarley, todos escalados, estarão sob observação do treinador. Mais experientes, já começam a sentir o efeito da maratona de jogos - entenda-se dores musculares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.