Corinthians enfrenta situação atípica e joga sem pressão no Paraguai

No Defensores del Chaco quase vazio, equipe tenta manter a liderança contra o Cerro Porteño

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

17 de março de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

ASSUNÇÃO

Um dos maiores obstáculos dos clubes brasileiros na Libertadores é a pressão dos adversários em seus estádios lotados, que se transformam em caldeirões com o barulho e a festa dos torcedores. O Corinthians não tem do que reclamar nesta primeira fase. Jogou com tranquilidade em Bogotá - era para encarar o Independiente em Medellín - e hoje, às 21h50, enfrenta o Cerro Porteño no Defensores del Chaco, em Assunção, que novamente não deverá viver o clima da competição. A venda de ingressos é fraca e não são esperadas nem 10 mil pessoas no jogo.

O Cerro Porteño passa por crise. Apesar de liderar o torneio Apertura, sua torcida anda decepcionada com o desempenho do time - só vence, no campeonato local, por placares apertados - e na Libertadores soma só um ponto. Para piorar ainda mais a situação, o time não pode jogar em seu campo, o Estádio Pablo Rojas, interditado por causa de confusão no jogo contra o Fluminense pela Sul-Americana passada, em que a torcida atirou objetos nos jogadores brasileiro.

"Não nos preocupamos muito com o ambiente, vamos jogar nosso futebol brasileiro de sempre, com alegria, e o resultado vai aparecer", afirmou o lateral-esquerdo Roberto Carlos, evitando o clima de guerra que não há.

A fase é tão crítica que os paraguaios não demonstram nem disposição em tentar enervar os corintianos. Ontem à tarde, no desembarque do Alvinegro em Assunção, apenas 50 pessoas estavam no Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi. E muitos eram corintianos já presentes no país para assistir ao confronto desta noite. "Mas na hora do jogo será mais quente, eles precisam ganhar e virão para cima da gente", disse o volante Elias.

Mano Menezes acredita no fim do jejum de gols de Ronaldo hoje. O Fenômeno amarga seis jogos sem marcar e ontem estava visivelmente incomodado em sua chegada.

Como estrela maior, o camisa 9 viu-se no centro dos holofotes no aeroporto. "Pô, brincadeira, vocês ficam puxando minhas coisas (a mala) em vez de empurrar as pessoas para eu passar", reclamou o Fenômeno aos seguranças do Corinthians. Com o rosto amarrado, evitou conversa com a imprensa e com os fãs.

Encantado. Situação oposta vive Dentinho, após cinco gols nos últimos cinco jogos. O jogador, porém, deve ficar no banco, como opção para o segundo tempo.

O time paulista é o líder do Grupo 1, com 4 pontos em 2 jogos. O Racing aparece em segundo, com 3, e o Cerro é o lanterna.

CERRO PORTEÑO

CORINTHIANS

CERRO PORTEÑO

Barreto

Irrazábal

Herner

Torres

Piris

Nuñez

Brítez

Cáceres

Julio dos Santos

Ramirez

Zeballos

Técnico:

Pedro Troglio

Destaques

9| Zeballos

Atacante é a esperança de gols do Cerro

17| Dentinho

Fez 5 gols nos últimos 5 jogos do Corinthians

CORINTHIANS

Felipe

M. Mattos (Moacir)

Chicão

William

Roberto Carlos

Ralf

Jucilei (Dentinho) Elias

Danilo

Jorge Henrique Ronaldo

Técnico:

Mano Menezes

Juiz: Pablo Antonio Pozo (CHI)

Local: Defensores del Chaco

Horário: 21h50

Transmissão: Globo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.