Corinthians estreia com dupla pressão

Equipe alvinegra terá pela frente o boliviano San Jose, na altitude de Oruro, no primeiro passo rumo ao bicampeonato

VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2013 | 02h00

O Corinthians trocou a obsessão de nunca ter vencido a Libertadores pela pressão de defender o título e conquistar o bicampeonato, algo inédito há doze anos - o Boca Juniors foi o último clube a alcançar o feito, em 2000 e 2001.

O primeiro passo será dado esta noite, às 22h, na cidade de Oruro (3.709 metros acima do nível do mar), na Bolívia, contra o San Jose, equipe modesta e que há cinco anos não disputa o torneio continental.

O maior trunfo do Corinthians é a manutenção do elenco campeão. Dos onze jogadores que disputaram a final contra o Boca Juniors ano passado, oito deles serão titulares hoje.

Esse grupo, que em 2012 já havia sido reforçado com Guerrero, peça-chave na conquista do Mundial, ganhou jogadores do quilate de Alexandre Pato e Renato Augusto.

"Poderíamos ter sentado nos louros do título e não contratar ninguém, mas a diretoria passa a ideia de que qualificar o elenco é importante. É assim que o Corinthians pensa depois do título (Mundial)", disse Tite.

O time, considerado por muitos como milionário e cheio de opções do meio de campo e no ataque, aumenta a responsabilidade do técnico neste início de temporada.

Na comparação com os rivais do Grupo 5, o Corinthians é o grande favorito a terminar a fase de grupo em primeiro. As viagens, como esta para a Bolívia, serão mais difíceis que os rivais - os outros adversários do grupo são o Tijuana, do México, e o Millonarios, da Colômbia.

A equipe treinou ontem em Cochabamba e Tite vai repetir a escalação que empatou contra o Palmeiras, domingo, por 2 a 2, pelo Campeonato Paulista.

A tarefa de Tite é fazer com que o time recupere o poder de marcação que tanto protege sua defesa, que foi a menos vazada na Libertadores do ano passado (sofreu apenas 4 gols em 14 jogos).

As primeiras rodadas do Campeonato Paulista mostraram que são necessários ajustes, principalmente na dupla de zaga, Gil e Paulo André, e na cobertura da defesa - o time tem sofrido muitos contra-ataques.

A altitude de Oruro, segundo o técnico e os jogadores, é motivo de preocupação, mas não pode ser encarada como algo que impeça a equipe de conquistar os três prontos.

Para contornar essa dificuldade, Tite aposta na troca de bolas no meio de campo, evitando cruzamentos longos. Outra arma: usar, no segundo tempo, o banco de reservas, com Pato e Romarinho, renovando o fôlego do time.

O San Jose vai jogar com três zagueiros e tem dois centroavantes perigosos e de força física: Carlos Saucedo e Diego Cabrera. A expectativa é de que o estádio Jesús Bermúdez, com capacidade para 30 mil pessoas, esteja lotado.

Ontem, na abertura do grupo, o Tijuana surpreendeu o Millonarios, em Bogotá, e venceu por 1 a 0, com gol de Ruiz.

SAN JOSE

Carlos Lampe

Luis Torrico

Carlos Tordoya Luis Palacios

Didí Torrico

Sebastián Carrizo

Abdón Reyes

Marcelo Gomes

Isaías Dury

Carlos Saucedo

Diego Cabrera

Técnico:

Marcos Ferrufino

CORINTHIANS

Cássio

Alessandro

Gil

Paulo André

Fábio Santos

Ralf

Paulinho

Danilo

Jorge Henrique

Guerrero

Emerson Sheik

Técnico:

Tite

Juiz: Carlos Vera (Equador)

Local: Jesús Bermúdez, em Oruro (BOL)

Horário: 22h

Transmissão: Globo e Fox Sports

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.