Corinthians goleia por 5 a 1 sem fazer força

Ótima atuação do time mostra que Guerrero é uma boa aposta e reafirma a importância de Paulinho no Mundial

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2012 | 02h04

Antes da goleada fácil do Corinthians diante do Coritiba, por 5 a 1, no Pacaembu, o técnico Tite não deu pistas sobre a definição do time titular para o Mundial de Clubes, o que realmente interessa na reta final do Campeonato Brasileiro. O técnico queria "ver o que a partida diria".

A goleada afirmou que vale a pena apostar em Guerrero. Apesar de mostrar mais vontade do que técnica em alguns lances, o peruano cavou um pênalti e ainda marcou o quarto gol, o 100.º do time na temporada. Foi a referência na área que o técnico considera fundamental.

Por outro lado, os companheiros de ataque ainda não são esses. Martínez precisa comer mais feijão para ser titular. Por isso, foi substituído no segundo tempo. Jorge Henrique foi apenas um corredor esforçado.

A partida também reafirmou a importância de Paulinho, o mais perigoso da equipe apesar de jogar no meio. Provou isso ao marcar o terceiro e o quinto gols. Ele é o artilheiro do Corinthians na temporada.

O meia também chamou a atenção quando acertou um belo chute aos 17 do segundo tempo, obrigando o goleiro Vanderlei a fazer uma acrobacia.

Por fim, o jogo "cochichou'' ao pé do ouvido do treinador que Danilo e Romarinho, que entraram no segundo tempo, não podem ser considerados cartas fora do baralho.

Se a partida trouxe mais dúvidas do que certezas, como a equipe fez cinco gols? O placar esticado foi o resultado, em grande medida, de uma noite infeliz da zaga do Coritiba - o segundo e o terceiro gols, de Fábio Santos e Paulinho, só saíram por causa de desvios nos zagueiros.

O primeiro tento, por sua vez, teve uma mãozinha do árbitro Ronan Marques da Rosa, que viu pênalti quando Guerrero tropeçou nas próprias pernas na disputa com Denis Neves, logo aos cinco minutos. Chicão converteu.

No segundo tempo, a intensidade que o treinador tanto cobra veio principalmente das arquibancadas. Entusiasmados com a presença do lutador Júnior Cigano, contratado pela equipe de MMA do Corinthians e detentor do cinturão dos pesados do UFC, que foi apresentado no intervalo, a galera impediu que o time se acomodasse.

Aos 19, após cruzamento de Danilo, Guerrero fez de cabeça e mostrou que pode, sim, ser importante no Mundial. Paulinho, também de cabeça, fechou a 14.ª vitória eloquente para a preparação para o Mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.