Corinthians jogará para 'afundar' o Palmeiras

Jogadores vão usar a situação delicada do arquirrival como um estímulo para vencer o clássico de domingo

VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 10h10

A situação delicada do arquirrival Palmeiras no Campeonato Brasileiro potencializou a vontade de os jogadores do Corinthians ganharem o clássico de domingo. Publicamente, nenhum atleta diz que entrará em campo para "afundar" ou "rebaixar" o oponente. Mas internamente, jogadores usarão a situação como estímulo para vencer o jogo.

A reta final do Nacional de 2010, quando o Corinthians brigava para ser campeão, ainda está fresca na memória de alguns jogadores, especialmente os que participaram daquela campanha. Jogadores e também dirigentes guardam certa mágoa do Palmeiras (e também do São Paulo) pelas derrotas para o Fluminense, que acabaram minando as chances de o time ser campeão.

Depois desse episódio - vários clubes reclamaram, não só o Corinthians -, a CBF adotou a estratégia de marcar somente clássicos regionais nas rodadas finais para acabar com a possibilidade de algum time entregar um jogo para prejudicar o rival.

"Corinthians x Palmeiras é um clássico, sabemos que a situação deles é delicada, mas se trata de um rival, e nós também temos de somar pontos", afirma o diretor-adjunto de futebol Duílio Monteiro Alves, que espera que os jogadores não entrem em campo nervosos. "Espero um jogo limpo."

O Corinthians não tem pretensões no Campeonato Brasileiro e já está se preparando para o Mundial de Clubes, em dezembro, no Japão.

A meta definida pelo técnico Tite é modesta. Com 32 pontos conquistados, ele impôs aos jogadores a soma de mais 13 nas rodadas finais. Se atingir 45 pontos, o time praticamente elimina qualquer chance de rebaixamento.

É uma situação oposta à do rival, que terá de iniciar domingo uma reação nas últimas 14 rodadas para não ser rebaixado - o Palmeiras tem só 20 pontos.

A diretoria corintiana também contribuiu para incentivar a vitória no clássico de domingo. Como é de costume nesses jogos, o prêmio será pago em dobro em caso de vitória.

Campeonato à parte. Tite prefere estimular seus jogadores de seu jeito. Ele diz que o Corinthians tem de entrar em campo para vencer o clássico, independentemente da situação de seu maior rival.

"É um campeonato à parte, mas com muito respeito", afirmou. "Estamos com todos à disposição para fazer um grande jogo neste domingo."

O técnico iniciou ontem os trabalhos para o clássico. Os titulares permaneceram na academia fazendo trabalho de recuperação após o empate diante da Ponte Preta por 1 a 1. O volante Paulinho, recuperado da lesão que sofreu defendendo a seleção brasileira, participou de um treino coletivo com bola, ao lado dos jogadores reservas.

Tite tem um problema para escalar a equipe. Alessandro, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, deverá ser substituído por Guilherme Andrade.

O atacante Emerson Sheik será julgado hoje por ter ofendido o árbitro Péricles Bassols depois da expulsão contra o Atlético-MG. Se for punido, ele pode pegar até 21 jogos.

A diretoria pode entrar com um efeito suspensivo para que Sheik possa pelo menos enfrentar o rival. "Nosso departamento jurídico vai analisar o caso", afirmou Duílio Monteiro Alves.

CORINTHIANS. LEIA MAIS NOTÍCIAS NO

estadao.com.br/e/corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.