Corinthians luta contra o jejum

Campeão paulista e da Copa do Brasil não vence há 5 jogos e volta a atuar com 3 atacantes

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

16 de agosto de 2009 | 00h00

Desde que Mano Menezes chegou ao Parque São Jorge, no final de 2007, jamais o Corinthians havia ficado, como agora, cinco jogos sem ganhar. A sequência negativa fez a direção se apressar em contratações - apresentou Balbuena, negocia com Defederico e está perto de anunciar Sylvinho - e levou o treinador a resgatar o esquema com três atacantes. Na tentativa de pôr fim à incômoda série, hoje, às 16 horas, contra o Atlético-MG, no Pacaembu. Veja no canal mais notícias do Campeonato Brasileiro 2009"Temos de ganhar de qualquer jeito, não importa a forma como jogarmos e nem por qual placar", disse Mano incomodado com as críticas que a equipe tem recebido depois dos seguidos tropeços. "Se fosse em qualquer outro lugar que um time conquistasse dois títulos, as comemorações durariam seis meses", reclamou. "Mas estão forçando uma crise aqui."O treinador aponta para "algo orquestrado", mas torcedores chegaram a pichar o clube cobrando reposição de atletas e foram até o CT do Parque Ecológico pedir mais empenho. Sonhavam com a conquista da tríplice coroa, algo inédito no clube, por isso se revoltaram com a saída de titulares importantes."O que me deixa mais preocupado é a falta de vitórias. Temos de fazer bom jogo, tentar dar a volta por cima para que o pessoal volte a falar bem do Corinthians", reconheceu o volante Edu, de volta à posição de origem. "Independentemente de quem vai jogar, qual o time, vai ser o Corinthians em campo."Edu será o primeiro volante, ao lado de Elias. Jucilei jogará na ala direita e o zagueiro Diego vai entrar na esquerda, já que Marcelo Oliveira ainda sente falta de ritmo. Isso teoricamente reforça a marcação e ajuda o esquema a sofrer variação do 4-3-3 para o 3-5-2 sem a necessidade de mudança de peças. Elias voltará a atuar no setor em que chegou a ser elogiado por Ronaldo como "o melhor do País". Virá de trás, na condução de bola, de frente para os rivais. "O Elias fazia parte da engrenagem de levar o time à frente, e com ele mais adiantado perdemos rendimento", reconheceu Mano Menezes. Boquita vai ser o armador, já que Morais, ainda em fase de recuperação de lesão no joelho, não deve ter condições de jogo.A ordem é sufocar o debilitado adversário. Os vários desfalques do Atlético deixaram todos no clube mais confiantes. O rival mineiro tem três jogadores suspensos, outros quatro machucados e dois emprestados pelo Corinthians (Wellington Saci e Carlos Alberto), por acordo impedidos de jogar.A missão de Dentinho, Jorge Henrique e Henrique é acabar com a série de três partidas do Corinthians em jejum de gols. "Fazer gol não depende só de um centroavante ou de um meia, depende de todo mundo, de um bom passe", adverte Edu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.