Corinthians mantém estilo no meio-campo com os reservas

Guilherme e Edenílson farão o mesmo papel dos titulares Ralf e Paulinho, que estão fora do jogo desta noite contra a Ponte

VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2012 | 03h08

O Corinthians terá contra a Ponte Preta uma dupla de volantes diferente. Guilherme e Edenílson substituem duas peças-chave do time: Ralf e Paulinho. Ambos estão em ascensão no time de Tite e, apesar de reconhecerem que continuarão na reserva, vão jogar na mesma função dos titulares.

Um volante marcador e outro, com mais liberdade, apoiando e chegando ao ataque. Essa é uma fórmula que há alguns anos vem fazendo sucesso no time.

Desde 2008, quando Mano Menezes ainda era o técnico, passaram pela equipe Cristian, Elias e Jucilei - os três foram vendidos. Paulinho veio ainda com Mano e depois foram contratados Edenílson e agora Guilherme.

Muito do sucesso recente do Corinthians, da conquista da Copa do Brasil, em 2009, até a Libertadores deste ano, deve-se à força de seu meio de campo e principalmente aos volantes que chegam bem ao ataque.

"No último jogo, contra o Grêmio, colocamos dois volantes dentro da área e eles fizeram dois gols. Nosso sistema proporciona isso, porque temos pelos lados do campo jogadores que seguram a marcação", disse Tite, que considera Clodoaldo, campeão mundial pela seleção brasileira de 1970, como exemplo de volante. "Ele jogava muito e não dava pancada em ninguém."

A dupla que vai encarar a Ponte, disse Tite, exercerá taticamente as funções de Ralf (suspenso) e Paulinho (machucado). "Acredito na repetição de um padrão."

A desvantagem, segundo ele, é que o time perde um pouco o poder de marcação de Ralf. "No mano a mano, ele é imbatível."

Guilherme atuará na cabeça de área, como Ralf, mas tem a seu favor o chute forte e o passe de longa distância. Edenílson terá a liberdade de Paulinho, tanto pelo meio quanto na ponta direita.

Nas demais posições, o Corinthians vai enfrentar a Ponte Preta com o que tem de melhor. A defesa será a titular, com a volta de Cássio ao gol. Douglas e Danilo serão os meias, e o ataque contará com o retorno de Emerson Sheik.

"O Corinthians quer fazer seu melhor sempre, usar a força máxima sempre. O Paulinho não joga porque clinicamente não dá, estamos em processo de crescimento", afirmou o treinador.

Tite disse que estudou muito a Ponte Preta por causa também da eliminação no Campeonato Paulista. Disse que o rival desta noite se destaca pela velocidade com que faz a transição do meio para o ataque.

"Já fomos surpreendidos antes, mas agora, não. Se acontecer novamente será por mérito do adversário", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.