Corinthians misto perde no interior

Bolas na trave, raspando, zagueiro salvando em cima da linha, goleiro fazendo defesas milagrosas. Ontem, em Presidente Prudente, tinha tudo para ser uma grande tarde do Corinthians. O time, mesmo começando com apenas três titulares - Dentinho e Elias entraram na fase final -, dominou o jogo diante do Grêmio Prudente. Mas mostrou incompetência na hora de finalizar e, bobeando na defesa, acabou amargando sua terceira derrota no Campeonato Paulista, por 2 a 0, e vê a classificação às semifinais ficar ameaçada.

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

22 de março de 2010 | 00h00

Num dia em que Souza podia sair consagrado, caso sua bicicleta tivesse entrado, ou Dentinho podia levar os méritos por mais uma vez salvar o time - não fosse Leonardo tirar em cima da linha sua conclusão, após boa jogada e cruzamento de Iarley -, foi o atacante Robson e o goleiro Márcio que tiveram motivos de sobra para comemorar.

O centroavante saiu do banco de reservas para anotar os dois gols da equipe, enquanto o goleiro, mesmo bastante atabalhoado, fez diversas defesas difíceis. Robson abriu o placar aos 18 da fase final ao ganhar dividida com Leandro Castán. Mano Menezes reclamou de falta no lance. Aos 49, o jogador definiu a vitória.

Quando o jogo ainda estava 0 a 0 os corintianos reclamaram de um pênalti em Jorge Henrique, que teria sido empurrado.

Foi o segundo jogo no ano em que o ataque corintiano passou em branco. Antes, havia empatado por 0 a 0 com o Rio Branco.

"No futebol tem de ter calma. Na quarta-feira precisamos de cabeça boa para fazer o resultado diante do Paulista (em Barueri) para voltarmos à briga", disse Mano Menezes. "Foi um resultado ruim, ainda mais num jogo em que não merecíamos perder", avaliou o técnico.

Com a vitória, o Grêmio Prudente segue invicto desde a mudança de nome - deixou de ser Grêmio Barueri na 10.ª rodada, após 3 a 1 para o Santo André - e com o segundo triunfo seguido sob o comando de Toninho Cecílio, ex-diretor de futebol do Palmeiras, entrou de vez na briga pela quarta vaga às semifinais. Na quinta-feira, o time recebe o inconstante Mogi Mirim.

Homenagem. Na entrada do Corinthians ao Prudentão, ontem, uma homenagem a um de seus grandes ídolos e torcedor: Ayrton Senna. O lateral-esquerdo Roberto Carlos, com a tarja de capitão na ausência de William e Ronaldo, carregava um capacete para lembrar o piloto, morto num acidente em 1994, que faria 50 anos ontem. A torcida exibiu uma bandeira, com "Ayrton Senna da Fiel."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.