Corinthians namora firme a Série B

Com derrota por 1 a 0 para o Náutico, em cima da hora, time de Nelsinho Baptista segue entre os quatro últimos

Antero Greco, O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2007 | 00h00

A Série B parece fascinar o Corinthians. O time que dois anos atrás conquistou o título nacional pela quarta vez, e despontava como a versão local do Real Madrid e seus galácticos, agora parece decidido a experimentar a aventura disputar a divisão de acesso. O flerte com o rebaixamento vem desde a metade do campeonato, virou namoro firme há várias semanas e caminha para união - se não estável e duradoura, pelo menos por uma temporada. O mais recente passo nessa direção foi dado ontem, com derrota por 1 a 0 para o Náutico, no Recife. Com 38 pontos, a equipe de Nelsinho Baptista se mantém entre as quatro últimas, com a companhia embaraçosa de Juventude, Paraná e América-RN.A fase é tão ruim que a derrota surgiu no momento em que o empate de 0 a 0 parecia o resultado mais natural - mas que, na prática, não era bom para nenhum dos dois rivais amargurados que se enfrentaram no Estádio dos Aflitos. Como desgraça pouca é bobagem para quem está com a corda no pescoço, o 12.º alvinegro tropeço se concretizou com pênalti cobrado por Geraldo (tem a cara e o corte de cabelo do Mike Tyson) aos 45 minutos do segundo tempo. Para os pernambucanos, alegria era tanta que parecia até vitória em final de Copa do Mundo. Para o Corinthians, a queda teve o peso de fim de mundo.Ainda há possibilidade de salvação para o time paulista, desde que faça sua parte nos seis jogos que faltam e se, de quebra, receber ajudas de Inter, Goiás, Atlético-PR e tantos outros adversários igualmente ameaçados de irem para o limbo. Mas, se depender só do futebol que tem mostrado, pode ficar de olho desde já em equipes como Marília, Ceará, Gama - inimigos em potencial para serem batidos em 2008.O duelo com o Náutico expôs mais uma vez a limitação do Corinthians, mesmo com o discurso e a projeção reconfortantes de Nelsinho. Não se pode esperar futuro radiante de uma equipe que conseguiu dar o primeiro chute a gol só aos 41 minutos da etapa inicial - em descida do lateral Fábio Ferreira - e que ainda assim morreu nos braços do goleiro Fabiano. Fora isso, Carlão, Betão, Finazzi, Gustavo Nery e companhia passaram o tempo todo tratando de segurar o ânimo de um rival bem limitado. Criatividade? Ousadia? Qualidade? Nada. Só vontade.Desempenho que não mudou na fase final, se bem que houve mais velocidade. E o melhor que o Corinthians produziu foi nova conclusão de Fábio Ferreira, aos 14 minutos, que exigiu intervenção precisa de Fabiano, que evitou o gol com os pés. Mas quem brilhou de novo foi Felipe, o goleiro que tem evitado vexames mais freqüentes e mais pesados do lado corintiano: como virou rotina, ontem fez pelo menos quatro defesas difíceis. O que não é grande consolo, porque seu time afunda. Ou, para os otimistas, é bom começo para o elenco que jogará a Série B. JOGOS QUE FALTAM28/10 - Figueirense (C)31/10 - Flamengo (F)4/11 - Atlético-PR (C)11/11 - Goiás (F)25/11 - Vasco (C)2/12 - Grêmio (F)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.