Corinthians quer ficar mais perto da zona de segurança

Equipe está a 10 dos 45 pontos desejados por Tite para fugir do rebaixamento e poder dar descanso aos titulares

CIRO CAMPOS , O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2012 | 03h04

A meta do Corinthians neste Campeonato Brasileiro já foi estabelecida e é chegar aos 45 pontos pontos, número considerado pelo técnico Tite a 'zona de segurança' para se ver livre da ameaça do rebaixamento e garantir a folga aos titulares antes do Mundial de Clubes da Fifa, em dezembro.

Restam dez pontos para isso. A receita para o jogo de hoje, às 16 horas, contra o Botafogo, no Engenhão, é usar o embalo adquirido depois da vitória no clássico contra o Palmeiras. Do outro lado do campo estará o Alvinegro, que no último encontro carimbou a faixa corintiana de campeão da Libertadores e desencadeou uma bronca coletiva no elenco.

O 'apagão' sofrido naquela noite rendeu uma lição importante. Os jogadores reconhecem a má atuação. "Talvez aquele jogo tenha sido um dos meus momentos mais importantes no Corinthians. A 'boleirada' tomou um 'chega pra lá' depois da derrota", contou Tite. A ideia da repreensão era evitar o deslumbramento e acomodação no elenco depois do título.

"Nossa prioridade agora é a zona de segurança. Se alcançarmos rápido esses pontos, o departamento de fisiologia vai mapear os jogadores que estão mais desgastados e vamos decidir quem devemos poupar", disse Tite. Mas até segunda ordem, ele vai usar força máxima.

"A partida com o Botafogo foi a minha pior com a camisa do Corinthians. Todos tem que pensar nisso para jogar bem dessa vez", disse Paulinho, que está no topo da lista de titulares a serem poupados.

Uma vitória hoje ajuda no planejamento do clube para o restante do ano. "Vamos lá para recuperar os pontos que a gente perdeu para o Botafogo aqui no Pacaembu", disse o goleiro Cássio. Depois da partida de hoje, o time tem um compromisso teoricamente mais fácil: recebe o Sport, que luta contra o rebaixamento.

Mudanças. Tite terá de improvisar para formar a equipe no Rio. A principal novidade está na lateral esquerda. Alessandro, que atua como titular na direita, será o substituto de Fábio Santos, que atuou pela seleção brasileira no meio de semana e está suspenso. Na direita, Edenílson será o titular.

Orientando pelo departamento jurídico, Tite decidiu não escalar Emerson, apesar de o efeito suspensivo permitir. Com isso, Guerrero começa o jogo como titular com Martinez, substituto de Danilo, suspenso, e Romarinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.