JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

Corinthians tenta reconquistar torcida

No reencontro com os torcedores, time recebe Ituano com a missão de jogar melhor e apagar a [br]queda na Libertadores

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2011 | 00h00

Domingo, no clássico com o Palmeiras, o Corinthians era o visitante no Pacaembu. Estava, assim, em pequeno número na arquibancada, o que acabou diminuindo o impacto dos protestos de seus torcedores, revoltados com a eliminação na pré-Libertadores, há uma semana. Hoje, no mesmo palco, a equipe recebe o Ituano, às 22 horas, pelo Campeonato Paulista, em duelo que marcará o primeiro real encontro com seus fanáticos torcedores. Diferentemente dos últimos anos (o clube, em média, levava mais de 24 mil pessoas a seus confrontos), o estádio deve receber pouca gente, mas que exigirá boa apresentação e, claro, uma convincente vitória,

Os corintianos ganharam sobrevida contra a ira de sua apaixona torcida ao bater o arquirrival Palmeiras por 1 a 0, no domingo. Mesmo assim, sabem que apenas com uma série de triunfos vão curar a ferida aberta com a queda diante do Tolima.

Prestigiado pelo presidente Andrés Sanchez, mas na mira da torcida, que pediu sua saída do clube, o técnico Tite deve ganhar importante escudo nesta noite. Apresentado ontem, o atacante Liedson (mais ao lado) está na expectativa de seu nome aparecer no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF e da Federação Paulista para estrear. Detalhe: ele fez ontem seu primeiro treino com os novos companheiros.

Escalar Liedson significa voltar a ter um centroavante de verdade, já que Edno "quebrou o galho" diante do Palmeiras, mas é mais meia-atacante do que goleador. E Ronaldo, machucado, deve voltar apenas no dia 17, contra o Mogi Mirim, no Pacaembu. O Fenômeno, outro na mira dos corintianos, ficou fora do clássico alegando contusão muscular. Ontem, disse já estar curado e liberado para os treinos.

"Conversei com o Liedson pela parte da manhã, que vem de sequência de jogos desde agosto. Ele está bem, em condições normais e é identificado com o Corinthians. Tendo condições legais, inicia o jogo. Do contrário, vai o Willian", afirmou Tite, considerado defensivo demais pelos corintianos. Usar um goleador significa tentar mudar um pouco a imagem de um time que fez apenas sete gols em sete jogos no ano e segue sob pressão e desconfiança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.