Corinthians vira em clássico quente

Santos entra com Neymar no ataque e sem o técnico Dorival Júnior, demitido na véspera, fica duas vezes na frente no placar, mas acaba derrotado por 3 a 2

Bruno Deiro, Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

O Corinthians iniciou muito bem sua sequência mais complicada no Brasileiro. Foi à Vila Belmiro e ganhou, de virada, do Santos, por 3 a 2, com um gol de Paulo André em jogada irregular - Danilo, autor do cruzamento para o zagueiro, estava impedido. Num jogo no qual levou enorme pressão dos oponentes e esteve duas vezes atrás do placar, os paulistas terminaram a partida com gritos de "olé" de sua torcida e com vantagem de três pontos sobre o Cruzeiro, agora o vice-líder. O Fluminense, com cinco atrás, joga hoje.

Domingo o Corinthians visita o Internacional, no Beira-Rio, depois, na quarta-feira, fecha a série contra candidatos à taça contra o Botafogo, no Pacaembu.

O clássico foi bastante movimentado, bem disputado, equilibrado, cheio de gols e também com polêmicas. Pará se desentendeu com Jorge Henrique e quase estragou o belo espetáculo no fim. Revoltados, os santistas trocaram o bom comportamento apresentado em quase todo o duelo e atiraram uma bomba, pedras e cinzeiro no campo.

Um dia após a demissão de Dorival Júnior, que preferiu barrar Neymar do clássico e acabou pagando com o emprego, a pergunta na Vila Belmiro era qual seria o comportamento da torcida santista e também do time diante do líder Corinthians. Os torcedores mostraram que a equipe está acima de tudo e cantaram o nome de seus ídolos. No jogo, apoio pelos 90 minutos e resolveram mostrar indignação com o ex-treinador, chamado de "mercenário" em alguns cartazes.

Após o protesto, festa logo no primeiro giro do relógio, com gol de Durval. Iarley empatou aos 8, Neymar fez aos 26 e Elias empatou aos 42 numa etapa eletrizante, de quatro gols e outras chances claras desperdiçadas, com o santista Douglas e o corintiano Bruno César.

Depois de um primeiro tempo igual, o Santos iniciou a fase final mostrando que na Vila Belmiro é ele quem manda. Domínio, pressão e um bombardeio incrivelmente não terminado em gol após três finalizações seguidas.

Neymar, até então passando fácil pelos marcadores, sofreu com a entrada do volante Moacir. Sumiu no jogo e viu o Corinthians, aos poucos, mostrar por que é o líder da competição.

Toques de primeira, domínio na posse de bola e gol, em cobrança de falta ensaiada, com Paulo André, aos 24 minutos. Dali em diante, o Santos apelou para os chuveirinhos. Não empatou e agora pode, curiosamente, ajudar o Corinthians, pois recebe, no sábado, o Cruzeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.