Corintianos lamentam saída de Ronaldo

Tite diz que ainda contava com o atacante, mas percebeu seu grande abatimento depois da derrota na Libertadores

Marcon Beraldo ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2011 | 00h00

O Corinthians empatou por 0 a 0 com o Paulista, mas o assunto que tomou conta do Estádio Jaime Cintra, em Jundiaí, foi a aposentadoria de Ronaldo. Diplomático, Tite afirmava "ser difícil falar em termos hipotéticos", já que Ronaldo não havia anunciado nada até ontem, a não ser na entrevista ao Estado. Mas declarou que contava com o craque para esse período que chama de "reordenamento do time". Porém, ao mesmo tempo, já considerando o futuro, dizia que em suas orações pedia "muita luz no caminho" do craque. Ou seja, pediu força para que o astro tomasse a decisão mais correta para a sua vida.

Tite lembrou que conversou com Ronaldo na sexta-feira, na sala de musculação. "Ele trabalhou de forma reservada, mas sem fazer nenhum comentário sobre o assunto", disse. Segundo Tite, "Ronaldo ficou muito triste com eliminação do time na Pré-Libertadores, ele nunca escondeu isso. E isso não seria motivo para ele parar. Ainda mais agora que estamos reordenando o trabalho", afirmou.

Ao avaliar a situação, com a equipe sem Roberto Carlos e provavelmente sem Ronaldo, Tite lembrou que Liedson atuaria com os dois, o que fortaleceria o grupo. "Mas com a saída de outros jogadores, como Elias e William, os movimentos do time foram prejudicados. Mas eu sempre falei que com o Ronaldo no time ele criaria umas quatro chances. No mínimo uma seria gol e outra o goleiro teria de fazer uma defesa extraordinária para impedir o gol."

O garoto Willian, que está começando agora, também se mostrou emocionado ao saber da provável despedida de Ronaldo. "Ficamos tristes com isso. Ele e Roberto Carlos são grandes jogadores e com certeza vão fazer muita falta para o time. Mas não podemos deixar que isso (a saída dos jogadores) atrapalhe o trabalho. Temos de trabalhar para que os resultados apareçam", disse o jovem jogador, que perdeu grande chance no fim.

Mais experiente que ele, o atacante Jorge Henrique trocou o número da camisa 7 pelo 23 "para dar sorte". Esforço não faltou, mas ele ficou chateado com o resultado (0 a 0). E mais ainda com o anúncio da provável despedida do Fenômeno. "Será um estrago grande. O ambiente já perdeu um pouco da alegria com a saída do Roberto Carlos. Os dois são grandes jogadores. Mas espero que o Ronaldo continue no clube", disse Jorge Henrique.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.