Divulgação/CPB
Divulgação/CPB

CPB celebra saldo 'extremamente positivo' do esporte paralímpico do País em 2018

Presidente Mizael Conrado vê modalidades bem posicionadas na preparação para os Jogos de Tóquio-2020

Redação, Estadão Conteúdo

20 Dezembro 2018 | 16h18

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) fez um balanço sobre o desempenho dos atletas do País no esporte adaptado em 2018 e celebrou o que qualificou como um saldo "extremamente positivo" já visando as competições do próximo ano e a Paralimpíada de Tóquio-2020. Por meio de nota oficial divulgada nesta quinta-feira, a entidade ressaltou que foram conquistados resultados importantes, desde pódios em Mundiais a novos recordes e classificações conquistadas para os Jogos de Tóquio.

"O saldo esportivo deste ano é extremamente positivo para o Comitê Paralímpico Brasileiro. Apesar de ser a temporada com o menor número de competições internacionais, foi possível observar que estamos muito bem posicionados para as disputas que estão por vir em 2019 e, consequentemente, para os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, que são o nosso principal objetivo dentro deste ciclo", afirmou Mizael Conrado, presidente do CPB, ao comentar esta última temporada.

Ao enumerar os pontos positivos de 2018 para o esporte paralímpico brasileiro, a entidade lembrou que o Brasil conquistou 20 medalhas em 12 Campeonatos Mundiais (de basquete em cadeira de rodas, de bocha, de canoagem, de ciclismo pista e estrada, de futebol de 5, de hipismo, de judô, de goalball, de remo, de tênis de mesa e de vôlei sentado), sendo que ao total foram contabilizados seis ouros, sete pratas e sete bronzes.

A seleção brasileira de futebol de 5, por sinal, se sagrou pentacampeã mundial da modalidade e assegurou classificação para os Jogos Paralímpicos de Tóquio.

"As equipes masculina e feminina de goalball também carimbaram passaporte para a Paralimpíada. Os três primeiros colocados no Mundial da Suécia classificavam-se, e os homens sagraram-se bicampeões do mundo, enquanto as mulheres ficaram com o terceiro lugar. A dupla Jairo Klug e Diana Barcelos subiu ao lugar mais alto do pódio no Mundial de Remo, na Bulgária, assim como Igor Tofalini, na canoagem. Lauro Chaman, no Mundial de Ciclismo de Pista, e Alana Maldonado, no judô, completaram as láureas douradas do Brasil na temporada", recordou o CPB nesta quinta-feira.

Já ao destacar os recordes mundiais, o comitê enfatizou que foram oito novas marcas obtidas por atletas do País, sendo que o atletismo foi a modalidade responsável por metade destes recordes, que vieram com Elizabeth Gomes, no arremesso do peso e dardo (classe F52); com André Rocha, no arremesso do peso (F53); com Claudiney dos Santos no lançamento de disco (F56); e com o velocista Petrucio Ferreira nos 100m e 200m (T47).

Já o nadador Daniel Dias, mais vitorioso atleta paralímpico da história do Brasil, voltou a brilhar ao melhorar a própria marca mundial nos 50m livre classe S5 durante a etapa Sheffield, na Inglaterra, da World Series - principal circuito de competições da natação pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês).

O CPB ainda lembrou que, em março, o Brasil contou pela segunda vez em sua história com representantes nos Jogos Paralímpicos de Inverno. Com três atletas, o País teve como maior destaque Cristian Ribera, que obteve um sexto lugar no esqui cross-country.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.