Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

CPB será o gestor do CT Paralímpico Brasileiro em São Paulo

Principal legado da Rio-2016, o CT foi inaugurado em maio de 2016 e tem capacidade para receber cerca de 280 atletas em seus alojamentos

O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2017 | 11h59

Em cerimônia que contou com a presença do governador Geraldo Alckmin e da secretária de estado dos direitos da pessoa com deficiência, Linamara Rizzo Battistella, foi feita a celebração do Termo de Cooperação no qual ficou acertado que por pelo menos mais cinco anos o Comitê Paralímpico Brasileiro (CBP) fará a gestão do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, em São Paulo.  Mizael Conrado, presidente do CBP, também esteve presente nesta sexta-feira, no próprio CT, localizado no quilômetro 11,5 da Rodovia dos Imigrantes.

O CT foi inaugurado em maio de 2016, quando o Comitê Paralímpico recebeu permissão de um ano de uso. Em 2017, a concessão foi estendida por mais seis meses. O projeto do CPB cumpriu com as exigências do chamamento público do Governo do Estado e foi avaliada com pontuação máxima e selecionada. 

"Este é um momento muito especial para todos nós, de bastante emoção. Quando era atleta, me lembro que nós dependíamos de espaços cedidos, que por muitas vezes já estavam ocupados. Hoje, além de termos o nosso espaço, podemos dizer que temos o melhor espaço para cada uma das modalidades. Temos o que há de melhor no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro. Estamos muito orgulhosos de recebermos esse voto de confiança do Governo do Estado de São Paulo para que possamos gerir, zelar e desenvolver todas as ações aqui neste espaço", disse o presidente Mizael Conrado.

"Nós tivemos os Jogos Paralímpicos no Brasil e este Centro de Treinamento é o legado. Hoje podemos dizer que temos um dos quatro melhores centros do planeta. Fomos buscar a excelência do Comitê Paralímpico Brasileiro para renovar por mais cinco anos. Não tem ninguém mais interessado, comprometido e com melhor experiência e boa gestão para conduzir esse trabalho do que o CPB. Desejo a todos um ótimo trabalho", confirmou o governador Geraldo Alckmin.

"Esse Centro de Treinamento é um sonho que o Governo do Estado fez tornar-se realidade. Apenas pessoas com alto espírito público e visão de futuro, como o nosso governador Geraldo Alckmin, são capazes de enfrentar esse tipo de desafio. O CT será uma grande ferramenta de mudança e inclusão social. Mas isso não se faz sem o conhecimento para identificar o talento e transformá-lo em um atleta", disse Linamara Rizzo Battistella. 

Em uma área construída de 95 mil metros quadrados, o Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro está localizado no Parque Fontes do Ipiranga, zona sul de São Paulo, e tem instalações esportivas indoor e outdoor que servem para treinamentos, competições e intercâmbios de atletas e seleções em 15 modalidades paralímpicas: atletismo, basquete, esgrima, rúgbi e tênis em cadeira de rodas, bocha, natação, futebol de 5 (para cegos), futebol de 7 (para paralisados cerebrais), goalball, halterofilismo, judô, tênis de mesa, triatlo e vôlei sentado. 

O empreendimento foi palco da aclimatação da delegação brasileira para os Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Com obras iniciadas em dezembro de 2013, o CT tem capacidade para receber cerca de 280 atletas em seus alojamentos. O empreendimento, com áreas esportivas de treinamento, hotel, centro de convenções, laboratórios, condicionamento físico e fisioterapia, recebeu investimento de R$ 305 milhões, divididos entre recursos do governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, e do Governo Federal, por meio do Ministério do Esporte.

No próximo fim de semana, entre os dias 27 e 29, o CT Paralímpico será palco de dois importantes eventos do calendário paradesportivo nacional. A última etapa nacional do Circuito Loterias Caixa Loterias de Atletismo, Halterofilismo e Natação e o Campeonato Brasileiro de Esgrima em Cadeira de Rodas. 

O governador Geraldo Alckmin aproveitou a ocasião para anunciar também a extensão do projeto do Time São Paulo. O acordo será válido por mais um ano e o orçamento total do projeto subirá para R$ 3,3 milhões. Assim, a parceria chegará a sete anos. O programa foi iniciado em 2011 e, em 2017, beneficiou 56 atletas e nove atletas-guia de dez modalidades diferentes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.