CPI para investigar o COB sai da pauta do Congresso

A CPI mista encarregada de apurar o total de recursos públicos destinados ao esporte no País - aí incluindo o que foi repassado pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) às modalidades que competiram na Olimpíada de Pequim - sofreu seu primeiro revés no dia em que seria lido o requerimento de sua criação na sessão do Congresso.A proposta, de iniciativa do deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), foi retirada nesta quinta-feira da pauta de votação, porque alguns parlamentares que apoiavam a iniciativa recuaram e resolveram retirar a assinatura da lista de adesão. Sem assinaturas suficientes, o requerimento não foi Lido.No Senado, quatro senadores mudaram de idéia, entre eles o líder do PMDB, Valdir Raupp ((RO), que atribuiu a decisão ao pedido feito pelo governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e ao senador Francisco Dornelles (PP-RJ). "Eles disseram que a investigação poderia atrapalhar a realização de uma Olimpíada e da Copa aqui no Brasil", informou Raupp. Procurado, Dornelles não quis se manifestar.Encarregado de coletar as assinaturas no Senado, o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse ter ouvido a mesma justificativa do governador do Rio. "Ele ligou com esse argumento, mas eu mostrei que quanto mais limpa for a aplicação de dinheiro, mais condições terá o País de sediar o que quer que for", afirmou. Dias obteve, antes das retiradas, 33 assinaturas de colegas, 6 além das 27 necessárias. Na Câmara, Miro conseguiu o apoio de 189 deputados, 18 além dos 171 cujo apoio é exigido na criação de CPI.Não é nova a tática de esvaziar os requerimentos de CPIs destinadas a investigar supostos desvios nos recursos movimentados pela área de esporte no País. No ano passado, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, tentou convencer os parlamentares a não apoiar a comissão que iria investigar denúncias de irregularidades no Corinthians e em outros clubes brasileiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.