Cruzeiro bate o maior rival e pula para a vice-liderança

Acusado de falhar em momentos decisivos, time mostra força no clássico

Luiz Carlos Silva, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

20 de outubro de 2008 | 00h00

Criticado algumas vezes por vacilar nos momentos decisivos das competições, o Cruzeiro mostrou ontem no Mineirão, no clássico contra o Atlético-MG, que está forte e determinado na luta pelo título brasileiro deste ano. Venceu o arqui-rival por 2 a 0 e alcançou os 55 pontos, assumindo a vice-liderança - tem 17 vitórias contra 16 do Palmeiras. O Atlético permanece com 37 pontos, na 12ª colocação.Além da grande rivalidade sempre presente em um clássico estadual, o duelo de ontem representava para o Cruzeiro a chance de provar que atualmente possui a estabilidade emocional e a concentração que já lhe faltou em outros momentos. Já o Atlético precisava vencer para se livrar definitivamente do fantasma do rebaixamento, ficando livre para pensar somente na classificação para a Sul-Americana de 2009.No entanto, a equipe alvinegra ainda não conseguiu sair totalmente dessa situação desconfortável e, com a derrota, atingiu o incômodo jejum de oito jogos sem vencer o rival.A equipe cruzeirense começou a partida mais forte e consistente. Logo aos três minutos, o meia Fernandinho chutou de fora da área e quase abriu o placar; o goleiro atleticano, Juninho, realizou grande defesa. Mas aos 42, não deu para ele salvar de novo seu time. Com um passe certeiro de Fernandinho, Jonathan recebeu pela direita e bateu cruzado, sem chance,abrindo o placar do clássico.O Atlético-MG voltou para o segundo tempo com uma postura mais agressiva, partindo o tempo todo para o ataque. O atacante Pedro Paulo entrou no lugar de Marques, que não esteve bem, mas a mudança não surtiu o resultado esperado pelo técnico Marcelo Oliveira.Só a vontade dos jogadores, porém, não foi suficiente, já que a qualidade e organização do Cruzeiro acabaram sobressaindo. Mesmo com a entrada do meia Wagner no lugar de Fernandinho no Cruzeiro, o resultado ficou indefinido até o final, com aos dois times buscando o gol incessantemente. Aos 45 minutos, quando o placar parecia definitivo, Elicarlos acabou sofrendo um pênalti, cometido pelo goleiro Juninho.O atacante Guilherme cobrou firme e fez o segundo gol da equipe cruzeirense. Foi seu 16º gol no campeonato."Sou realmente um iluminado", disse Guilherme. "Agora, estamos mais vivos do que nunca na briga pelo título", afirmou, usando um lugar-comum, o atacante Thiago Ribeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.