Cruzeiro, na raça, vira jogo e fica em 2º

Equipe celeste derrota o Palmeiras e toma o lugar do Corinthians na tabela e na fase de grupos da Taça Libertadores

Eduardo Kattah, Marcelo Portela SETE LAGOAS, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2010 | 00h00

A missão do Cruzeiro era ingrata, pois não dependia apenas de suas forças para conquistar o título do Campeonato Brasileiro. Mas, para fazer sua parte, o time do técnico Cuca enfrentou mais dificuldades do que esperava e, com um gol nos acréscimos da partida, venceu ontem de virada o Palmeiras por 2 a 1, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas. A equipe celeste terminou a competição em segundo lugar - com 69 pontos, dois a menos que o campeão Fluminense -, superando o Corinthians na última rodada e se classificando diretamente para a fase de grupos da Libertadores.

O time de garotos escalado pelo técnico Luiz Felipe Scolari deu trabalho e demonstrou muita luta em campo. Os jogadores do Cruzeiro entraram carregando bandeiras do Brasil e da Itália, numa sugestão de irmandade com a equipe paulista, que, como o time mineiro, se chamava originalmente Palestra Itália.

Mas o Palmeiras não aliviou para os donos da casa. No primeiro tempo, pouco organizado, o time de Cuca demonstrava nervosismo e pouca eficácia nas ações ofensivas. A torcida só se animou após o anúncio do gol do Goiás sobre o Corinthians. Mas o coro de "eu acredito" dos torcedores logo foi substituído pelo pedido de "raça", já que o time de Felipão explorava os erros do Cruzeiro e levava muito perigo ao gol de Fábio.

Já nos acréscimos do primeiro tempo, na melhor chance celeste, o volante Henrique cabeceou na área, mas o goleiro Bruno fez incrível defesa e evitou o gol.

Na etapa final, Cuca colocou Gilberto em campo, mas o goleiro Bruno continuou sendo o destaque do Palmeiras. Aos 8 minutos, o time paulista calou o estádio quando Vítor fez fila pela direita e Rivaldo concluiu na pequena área, de cabeça: 1 a 0.

Antes que o desespero tomasse conta dos jogadores, o Cruzeiro conseguiu o empate, com Henrique, aos 17. O time mineiro pressionou bastante, mas só conseguiu o gol da vitória nos acréscimo. O atacante Wallysson, que entrou no lugar de Wellington Paulista, após confusão na área, marcou o segundo, aliviando a torcida na Arena do Jacaré.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.