Cruzeiro tenta minimizar conflito para não sofrer represália no Sul

Preocupados com possíveis retaliações em Porto Alegre, os dirigentes do Cruzeiro procuraram desvincular o clube da acusação de racismo feita pelo volante Elicarlos contra o atacante Maxi López. O presidente Zezé Perrella classificou o episódio como "coisa pessoal", mas incentivou o atleta a tomar providências, afirmando que "argentinos têm esse hábito". "Claro que não são todos", ponderou, lembrando que o lateral Sorín é um dos ídolos cruzeirenses. "Mas acho que tem de ser punido, sim. Jogador que não respeita, que acha que cor é diferença, tem de ser preso." Ontem, o dirigente divulgou no site do clube uma carta na qual observa que o Cruzeiro sempre manteve o melhor relacionamento com o Grêmio, e que a decisão de se dirigir a uma delegacia de polícia para registrar a queixa "foi tomada por um homem de origem simples e humilde, um direito que não pode ser tirado de nenhum ser humano". ESTUDIANTES VENCENo 1º duelo contra o Nacional, os argentinos do Estudiantes venceram por 1 a 0. O jogo de volta será em Montevidéu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.