CT faz dívida do Corinthians dobrar

Passivo do clube passou de R$ 100 milhões para R$ 190 milhões em 4 anos e obra é apontada com a maior responsável

VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2011 | 03h06

A inauguração do hotel onde o time ficará concentrado durante a pré-temporada, em janeiro, significou a conclusão do Centro de Treinamento do Corinthians.

Essa obra, aclamada por dirigentes como o maior legado de Andrés Sanchez além do estádio em Itaquera, foi também responsável pelo lado "ruim" da atual administração: o aumento exponencial da dívida.

Ela praticamente dobrou de tamanho de 2007 a 2011, segundo dados preliminares do departamento financeiro do clube.

O passivo passou de R$ 100 milhões para R$ 190 milhões. "Investimos pesado no CT", diz o diretor financeiro Raul Corrêa.

Segundo ele, o custo total da construção do CT, complexo com quatro campos de futebol, academia, piscinas, entre outras dependências, custou entre R$ 50 e R$ 55 milhões.

Esse é o argumento que a diretoria usa para justificar o aumento da dívida. Os outros são as contratações de jogadores, entre eles Alex, que custou R$ 14 milhões.

Raul argumenta que as receitas também saltaram de patamar no mesmo período, de R$ 60 milhões, para R$ 220 milhões - esta a estimativa publicada na proposta orçamentária para 2012 e que será analisada no Conselho Deliberativo clube nesta terça-feira.

De acordo com as previsão, os direitos de TV saltam de R$ 50 milhões para, no mínimo, R$ 90 milhões (pode chegar a R$ 130 milhões dependendo da venda de pay-per-view). Também foram reavaliadas para cima receitas provenientes de contratos de patrocínio de camisa, de R$ 28 milhões para R$ 40 milhões.

Novo foco. Os investimentos, contudo, não param. Se o espaço voltado aos profissionais está concluído, agora o clube se volta ao centro de treinamento das categorias de base. "Vai custar bem menos que o dos profissionais", garante o diretor financeiro.

Isso porque a estrutura será mais modesta, embora esteja previsto a construção de três campos de futebol, um deles com arquibancadas para 2 mil pessoas, e um alojamento para cerca de 100 atletas.

Antes de se licenciar do cargo, Andrés já deu aval para o início do CT da base. A previsão é que a obra seja concluída na metade de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.