Cuba desiste de Jogos em El Salvador

Alegando falta de segurança para seus atletas, o Comitê Olímpico Cubano (COC) e o Instituto Nacional de Desportes, Educação Física e Recreação (INDER), informaram em comunicado conjunto, na noite de sábado, a desistência de participar dos Jogos Centro-americanos e do Caribe, que será disputado em El Salvador, de 23 de novembro a 7 de dezembro. A nota oficial das entidades revela ainda um plano de ação violenta contra os cubanos, inclusive, o assassinato do presidente do COC, José Ramón Fernández, tramado por exilados que vivem em Miami.De acordo com o COC e o INDER, a decisão de suspender a participação dos atletas na competição foi solicitada às entidades pelo presidente Fidel Castro, depois de analisar informações do serviço inteligência de que haveria ?perigo de agressão física e inclusive a possibilidade de seqüestros de atletas cubanos?. ?El Salvador tem sido, com cumplicidade e cooperação de suas mais altas autoridades, o principal centro de operações da máfia terrorista de Miami contra o nosso povo?, diz o comunicado. Segundo as entidades desportivas de Cuba, as autoridades salvadorenhas foram informadas ?sobre os perigos? de Cuba participar da competição, mas não receberam resposta.Os presidentes de Cuba, Fidel Castro, e de El Salvador, Francisco Flores, mantêm relações estremecidas desde que o salvadorenho acusou de ditador o cubano durante a Cúpula Ibero-americana de Panamá, em 2000. Os países não têm relações econômicas tampouco diplomáticas e as rusgas foram acentuadas depois que o governo cubano assegurou que em El Salvador era morada do anticastrista Luis Posada Carriles, preso no Panamá com outros colaboradores quando ?planejavam um atentado? contra o líder cubano.O COC e o INDER encerram a nota oficial dizendo que ?as organizações esportivas salvadorenhas reagiram, em troca, com respeito e amabilidade e que não têm responsabilidade alguma no ocorrido?.Atletas - Os atletas cubanos que iriam participar dos Jogos e que representam uma das maiores potências do mundo esportivo foram avisados apenas duas horas antes do anúncio da desistência feito pelas autoridades cubanas. De acordo com as entidades esportivas, será realizado a I Olimpíada de Esportes Cubanos, com a finalidade de não afetar a preparação dos atletas e nem ?frustrar suas aspirações de escrever as páginas da história?. Outro lado - Os responsáveis pela organização dos Jogos Centro-americanos e do Caribe reagiram com surpresa e resignação diante da decisão de Cuba. O presidente do Instituto Nacional dos Desportes (INDES) e do Comitê Organizador dos Jogos (COSSAL), Enrique Mollins, disse em entrevista a La Prensa Gráfica que quer muito a participação dos esportistas cubanos nos Jogos, mas que por outro lado não pode ir contra a corrente. ?Temos insistido em oferecer as garantias para que sua tranqüilidade seja a nossa. Se acontecesse um ato contra os atletas cubanos, os mais prejudicados seríamos nós mesmos?, disse. ?Não sei porque não existe confiança. Estou impressionado que não venham por esse motivo?.Já o presidente do Comitê Olímpico de El Salvador (COES), Benjamín Ruiz Rodas, limitou-se a lamentar a ausência dos atletas cubanos nos Jogos. ?Cuba é uma potência esportiva e sua ausência poderia tirar o brilho da competição?. O governo salvadorenho, contudo, ainda não emitiu uma posição a respeito da decisão cubana. Até este domingo mais de 6 mil atletas de 32 países tinham confirmado a participação na disputa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.