Cuidado com Neymar

O preparador físico da seleção Brasileira, Carlinhos Neves, conta que conversou com Neymar depois do jogo contra a Argentina. Em tom ameno, perguntou quando ele vai dar uma paradinha. Neymar sorriu amarelo. Não deu sinais de que pretende pedir para ficar fora de qualquer jogo, seja do Santos, seja da seleção.

Paulo Vinícius Coelho, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2011 | 00h00

Hoje, Neymar entra em campo pela 53ª vez no ano. O Corinthians faz seu jogo número 49.

São 35 partidas pelo Santos, sete pela seleção sub-20, dez pelo time de Mano Menezes. Quarta-feira, no Parque do Sabiá, Neymar completará 54 partidas, o mesmo número disputado por Lionel Messi pelo Barcelona, na temporada 2010/11 completa.

As comparações entre os craques argentino e brasileiro tendem a ser cada vez mais frequentes. Só não é bom ver comparações sobre quem se desgasta mais.

Messi foi eleito pela primeira vez o melhor jogador do mundo aos 22 anos, o segundo mais jovem da história - Ronaldo foi eleito aos 20 e 21 anos, em 1996 e 1997. Desde Zidane, escolhido aos 30 anos em 2003, a idade do melhor jogador do planeta é sempre menor. Ronaldinho tinha 24 anos quando levantou o troféu pela primeira vez, Kaká tinha 25, Cristiano Ronaldo estava com 23.

Cannavaro, melhor do mundo por sua participação na Copa de 2006, era zagueiro, o que explica a exceção.

Carlinhos Neves não concorda que a idade do melhor jogador do mundo diminui na mesma medida em que aumenta o desgaste. Hoje, os craques jogam mais, correm mais e apanham mais.

Neymar é um exemplo disso.

Ano passado, disputou 63 partidas pelo Santos e duas pela seleção. No ritmo atual, o empate em número de jogos se dará em outubro. Em 2010, fez 43 gols e foi artilheiro do país. Neste ano, são 19 somando Santos e seleção, e nove pela seleção sub-20.

Há variáveis, como o ataque santista mais forte em 2010 do que em 2011. Mas é de se prestar atenção para saber se o ritmo mais intenso tem relação com o menor número de gols.

Pelé disputou 103 partidas em 1959, ano em que mais vezes entrou em campo - marcou 127 gols! Era um tempo em que um jogador percorria 6 quilômetros, metade do que índice atual.

Hoje Neymar também é assunto, porque é dia de avaliar separadamente cada falta que receba. Ele não cai mais do que os outros apenas. Faz tudo em maior escala: mais jogos, mais gols, sofre mais faltas e até um pouco mais, o que se deve corrigir.

Ele tem 19 anos. Mais grave do que isso, é o calendário a que é submetido.

998 dias para a Copa. O Atlético-PR divulgou a data prevista para a inauguração da Arena da Baixada: 29 de março de 2013. O clube comemora a liberação do dinheiro para o início das obras, o que deve acontecer em outubro. Quer dizer que até agora muito pouco foi feito, a não ser o crescimento de metade do lance de arquibancadas do lado oposto às tribunas de imprensa.

No Beira Rio, as obras também estão cruas, assim como em Natal. Mas é com Porto Alegre e Curitiba as maiores preocupações dos organizadores.

A outra preocupação é que o Maracanã não cumpra prazos para ser sede da Copa das Confederações. É óbvio que a divulgação de informações como essa tem o interesse de diminuir a força das greves no Maracanã e acelerar o ritmo das obras. Também é verdade que há motivo para preocupação.

As obras para a construção do Maracanã começaram em 1948, dois anos antes do Mundial. Deu tempo. Deu? Há fotos da estreia do Brasil na Copa com torcedores pendurados nos andaimes que escancaravam que a obra não estava concluída quando a Copa de 50 começou.

Em Porto Alegre, ainda há um jogo político, porque o estádio do Grêmio estará pronto em 2013 e o Beira Rio não segue seu cronograma. Pelo menos um erro do passado não vai se repetir. Em 1950, a França não veio ao Mundial, porque sua tabela marcava o primeiro jogo para o Recife e o segundo em Porto Alegre.

Está confirmado que as seleções vão se deslocar pelo país, mas quem jogar em Manaus só conhecerá o Rio se avançar às fases finais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.