Dacar 2012 deve ter largada no Rio

Segundo os pilotos, são grandes as chances de o evento trocar Argentina e Chile por Brasil, Peru e Bolívia

Valéria Zukeran, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

O sonho da maioria dos amantes brasileiros do automobilismo off road pode se tornar realidade a partir de 2012. O rali mais famoso do mundo, o Dacar, está perto de chegar ao Brasil. A expectativa pela confirmação da novidade é grande entre os pilotos que nos últimos anos têm representado o País no evento.

Segundo Guiga Spinelli, da equipe Mitsubishi Brasil, os organizadores do Rali prometiam divulgar a novidade no dia 22, mas o anúncio foi adiado. "Conversei com um pessoal do Governo do Estado do Rio e da ASO (Amaury Sports Organization, detentora dos direitos do rali) e o que me foi dito é que o acordo está fechado e só falta assinar", conta. "Seria sensacional realizar o Dacar aqui, afinal já temos a Fórmula 1, a Fórmula Indy...", comemora.

Spinelli afirma que o percurso ainda não estaria totalmente definido, especialmente no que diz respeito ao trecho brasileiro. O certo seria a largada no Rio e a passagem ou chegada em Lima, no Peru. O país organizaria os desafios de dunas do Dacar no Deserto de Ica e nas regiões secas de Tacna e Moquegua, que já estão sendo inspecionadas. A Bolívia ainda estaria negociando a realização de etapas e teria se mostrado disposta a investir US$ 1 milhão no evento.

Outro que aguarda a definição é Jean Azevedo, da equipe Petrobrás. O piloto não está tão certo da confirmação, mas afirma que são fortes nos bastidores os boatos de que o Dacar vem mesmo para o Brasil."Seria ótimo comercialmente para nós pilotos, que teríamos uma facilidade muito maior de conseguir patrocínios", diz. "Já pensou realizar o Dacar de 2012, meu 14º, em casa?"

Tradições. A única preocupação de Jean é com a manutenção das tradições do rali. "O Dacar é caracterizado por suas provas com areia, deserto e dunas, seja na África, seja na América do Sul. Não dá para pensar na competição sem esses desafios", aponta. "Outra característica é a de realização de provas em lugares mais afastados, uma vez que os carros atingem altas velocidades e é importante não correr riscos (de acidentes)."

O piloto, que já competiu no Peru (região de Cuzco), não descarta a possibilidade de o Chile ser mantido no percurso. "O Atacama é bem ao norte do país, pertinho do Peru. Talvez fosse possível realizar uma rota que mantivesse duas ou três etapas de deserto lá."

Trabalho. Enquanto a confirmação não chega, Guiga e Jean se preparam para a edição 2011 do Dacar, que terá largada no dia 1º de janeiro, em Buenos Aires e percurso no Deserto do Atacama, Chile. Guiga viaja hoje para o Marrocos, onde vai treinar nas dunas. O piloto competirá com uma Mitsubishi pela mesma equipe franco-brasileira que defendeu este ano. "Porém o número de carros no ano que vem será menor o que pode ser bom, porque os o staff da minha equipe - que trabalhou com vários vencedores do Rali - poderá dar mais atenção ao nosso trabalho.

Jean acabou de voltar da Europa, onde terminou de realizar o shake down do carro que utilizará no ano que vem. Os carros devem desembarcar na América do Sul no dia 25.

De acordo com Guiga, será grande o desafio dos brasileiros de fazer frente ao favoritismo das equipes de fábrica, como a Volkswagen e a BMW, que todos os anos desenvolvem carros e equipamentos especialmente para Rali Dacar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.