Dagoberto reclama da pancadaria dos rivais

Atacante são-paulino vai do céu para o inferno: marca o 2.º gol de seu time e desvia a bola no empate palmeirense

Marcius Azevedo, O Estadao de S.Paulo

20 de outubro de 2008 | 00h00

Muricy Ramalho mostrou-se irritado com o empate, depois de o São Paulo ter aberto vantagem de 2 a 0 contra o Palmeiras, e ironizou o adversário, que, segundo ele, se dizia favorito. "O Palmeiras não se mostrou tão favorito, clássico tem de ser respeitado", desabafou o treinador. "Nós viemos aqui e colocamos nosso ritmo, mas eles acharam um gol no fim", prosseguiu. "Eles, que eram tão favoritos, conseguiram empatar." Tão aborrecido quanto o treinador ficou Dagoberto, que correu, levou pontapés, levantou, apanhou novamente e caiu. A defesa do Palmeiras se revezou para bater no atacante durante praticamente todo o clássico. Só Sálvio Spínola Fagundes Filho não viu. Pelo menos é o que afirmou o são-paulino após o jogo, no vestiário Palestra Itália. "Bastante", respondeu ao ser questionado se o árbitro havia sido conivente com a violência dos zagueiros palmeirenses. "Todo mundo viu o que ele fez", esbravejou. "É fácil julgar o jogador. É bom observarmos também o que os árbitros estão fazendo."Para o atacante, "Gustavo deveria ter sido expulso em um lance sem bola no meio-campo quando o atingiu com um chute". Já Roque Júnior, que até acabou expulso no final da partida, era para ter deixado o jogo antes ao cometer uma falta dura depois de ser sido driblado por Dagoberto. O palmeirense já tinha amarelo.E não foram apenas os zagueiros que pegaram no pé do são-paulino. O técnico Vanderlei Luxemburgo também esbravejou contra Dagoberto. "O Luxemburgo é um cara inteligente, está há muito tempo no futebol, queria me desconcentrar."Em relação ao resultado, disse não ter ficado satisfeito. Principalmente porque o São Paulo foi para o intervalo vencendo por 2 a 0 e, até o Palmeiras marcar o primeiro gol, aos 33 com Kléber, ainda criou outras chances para matar o jogo. "Se pensarmos que jogamos fora de casa e contra um adversário muito difícil, que está na briga pelo título, até não seria ruim. Mas pelas circunstâncias não foi bom", afirmou o camisa 25. "Apesar do resultado, o time jogou muito bem, criou muitas chances e o mais justo seria sair com uma vitória."Dagoberto também falou sobre o gol de empate palmeirense. Ao tentar afastar o cruzamento de Leandro em uma cobrança de falta, o atacante acabou colocando para dentro do gol. "Foi um lance muito rápido, não deu para ver."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.