Dagoberto se revolta com Andrés e nega ida para a Vila

Atacante, no entanto, admite interesse de ir para o exterior após o fim de seu contrato com o São Paulo, em abril

PAULO GALDIERI, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2011 | 03h03

Dagoberto não gostou de saber que Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, havia dito, ainda nos vestiários do Morumbi, após o clássico contra o São Paulo, que ele já havia acertado um contrato com o Santos. E bateu forte no dirigente corintiano.

Em entrevista às emissoras de rádio após o jogo, Andrés foi enfático ao declarar que "o Dagoberto já está acertado com o Santos". O atacante, em negociação cheia de altos e baixos com o São Paulo para a renovação de seu vínculo, que acaba em abril do ano que vem, ficou bastante irritado.

"Ele (Andrés) disse essas coisas para desviar o foco do time dele. E essas coisas levam a torcida a fazer uma cobrança em cima da gente. Fiquei sabendo que ele disse até detalhes do contrato, até sobre valores de luvas e tudo. É por isso que o futebol brasileiro está do jeito que está", disparou Dagoberto.

"Eu não tenho nada acertado com o Santos. Se tivesse feito uma coisas dessas, teria sido uma grande falta de respeito com o São Paulo. As pessoas deviam acreditar mais na minha palavra e parar de acreditar na palavra dos outros. A vida é minha, sou eu quem sabe dela."

Segundo Dagoberto, ele tentou entrar em contato com Sanches para tirar satisfação, mas não conseguiu. "O Marquinhos (Marcos Malaquias, empresário de Dagoberto) tentou ligar para ele, mas ele não atendeu."

De acordo com o presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, a informação de que o atacante teria aceitado a oferta santista de R$ 300 mil mensais e luvas de R$ 2 milhões não passou de brincadeira. "Não temos interesse em contratar Dagoberto. É evidente que foi mais uma brincadeira do Andrés. O Santos não assedia jogador que esteja sob contrato", assegurou o dirigente. "É mais uma gozação dele (Andrés). Vou contratá-lo para ser o corneteiro no centenário do Santos."

Dagoberto, porém, diz que a sua saída do São Paulo é uma possibilidade real. "Todos sabem que tenho vontade de jogar no exterior. E, se não houver um acordo com o São Paulo até o dia 19 de abril, o clube segue a vida dele e eu a minha. Tudo normal." / COLABOROU SANCHES FILHO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.