Daiane admite que outra dor a atrapalha

Depois de sofrer continuamente de problemas no joelho, a ginasta Daiane dos Santos admitiu que tem agora outra dor para atrapalhar. "Senti a canela direita durante a última competição. Devo aproveitar o tempo de descanso para fazer alguns exames e ver o que é", disse a atleta, nesta quinta-feira, em sua chegada ao Brasil após conquistar mais uma medalha de ouro no solo, agora na Universíade, em Izmir (Turquia). A ginasta, no entanto, está otimista e acredita que o problema não passa de resultado do esforço dos treinamentos, recuperável com um pouco de repouso. Apesar da realização de um pré-Pan-Americano de ginástica, em setembro, em Curitiba, Daiane confirmou que a apresentação na Turquia foi mesmo a última ao som de ?Brasileirinho?. A preparação da nova rotina ainda não começou. "É preciso escolher a música para depois definir os saltos", disse a ginasta, que tem apenas uma certeza. "Vai ser uma música brasileira". Daiane diz que a definição é difícil uma vez que a Federação Internacional da Ginástica (FIG) não permite que apresentações de solo ao som de percussão ou voz. "Estou aceitando sugestões". A previsão da ginasta é voltar a competir em outubro, no Campeonato Pan-Americano de Ginástica, no Rio, que será a seletiva para os Jogos Pan-Americanos, em 2007, também na capital carioca. Depois, Daiane participa de etapas da Copa do Mundo e do Campeonato Mundial, marcado para novembro, em Melbourne, Austrália. A data da apresentação na nova rotina ainda não foi definida. A atleta acredita que a Universíade foi um bom termômetro do que encontrará no Mundial. "Os melhores ginastas do mundo participaram - o Japão, por exemplo, veio com equipe completa, inclusive com o campeão olímpico - e deu para ver como estamos em relação a eles", ponderou Daiane, que além do ouro no solo ficou em terceiro na classificação geral, atrás apenas da chinesa Ye Fan e da britânica Elizabeth Tweddle. "Fiquei surpresa por esse resultado", admitiu. O ginasta Mosiah Rodrigues voltou otimista com as notas de sua rotina, "inaugurada" recentemente. "Foi melhor do que nas etapas da Copa do Mundo". Pequim - Daiane mostrou serenidade com as declarações recentes do técnico da seleção brasileira, Oleg Ostapenko, à Agência Estado, de que dificilmente chegará a disputar a Olimpíada de Pequim, em 2008, por causa do desgaste de suas articulações. "Acho que não só eu, mas todo atleta de alto rendimento passa por isso, como lesão ou qualquer outro problema físico. É normal, não só para mim como para qualquer atleta", observou a ginasta. "A questão vai ser como suportar, tratar e continuar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.