Daiane e Diego fazem planos para 2005

Daiane dos Santos e Diego Hypólito desembarcaram nesta terça-feira no Rio, após conquistarem medalha de ouro na prova de solo da grande final da Copa do Mundo Ginástica Artística, em Birmingham, na Inglaterra. Daniele Hypólito, que também participou da competição, chegou junto. E os três festejaram o excelente desempenho dos ginastas brasileiros em 2004.Enquanto Daiane convive com a dúvida sobre a realização de uma nova operação no joelho direito, Diego tem a certeza de que para se manter entre os melhores do mundo, além de intensificar os treinamentos, precisará aprimorar seu desempenho nos demais aparelhos."Fiquei de alma lavada com essa medalha. Estava com saudade de competir, já que desde a Olimpíada de Atenas fiquei parada. Subir ao pódio foi melhor ainda", festejou Daiane, ouro no solo. "Agora é o nosso momento. E todos os ginastas brasileiros são responsáveis por isso." Daiane contou ter ficado surpresa com a divulgação de que faria uma nova cirurgia no joelho. E explicou que só decidirá sobre isso quando voltar das férias, que começam dia 22 e terminam em 9 de janeiro."Minha tia ligou lá para a Inglaterra desesperada e preocupada, porque aqui não se falava em outra coisa. Só respondi a uma pergunta de um jornalista e disse que esta é uma possibilidade", afirmou Daiane, que, no entanto, admitiu que, se for operada novamente, a cirurgia acontecerá em janeiro. "O problema é que se operar fico seis meses parada, perco várias etapas da Copa do Mundo e não sei como voltarei física e tecnicamente. Se deixar como está, só terei que escolher as competições que vou participar. Porque não poderei forçar tanto os joelhos para agüentar até a Olimpíada de Pequim (2008)." De acordo com Daiane, o técnico da seleção brasileira de ginástica, Oleg Ostapenko, apóia a intervenção cirúrgica. Mas o médico da equipe, Mário Namba, é contra a operação, por achá-la desnecessária.Mais preocupada com as férias, Daiane ainda admitiu que é remota a possibilidade de mudar o tema de sua apresentação no solo, a música Brasileirinho, para o Mundial da Austrália, em novembro de 2005. "A não ser que apareça outra canção tão cativante e que empolgue o público", disse a ginasta, que depois da escala no Rio, seguiu para Curitiba, onde foi recebida com grande festa, com direito a desfile no carro do Corpo de Bombeiros pelas ruas da cidade.No Rio, os irmãos Hypólito também desfilaram pela cidade no carro do Corpo de Bombeiros. "Foi um ano surpreendente. Não comecei muito bem, fiquei fora da Olimpíada e terminei dessa maneira, sendo campeão no solo", comemorou Diego, que agora planeja comprar um carro com o dinheiro dos prêmios recebidos ao longo do ano. "Estou tranqüilo quanto ao solo e salto (ficou em quarto lugar em Birmingham), mas preciso melhorar nos outros quatro aparelhos (barra fixa, barras paralelas, cavalo com alças e argolas)." Para Diego, a medalha de ouro em Birmingham foi a recompensa por não ter participado dos Jogos Olímpicos de Atenas. Na ocasião, o ginasta perdeu a única vaga masculina do Brasil na competição para Mosiah Rodrigues.Já Daniele, além de celebrar o feito do irmão, se mostrou feliz por seus resultados na Inglaterra. "Fui a única ginasta a participar de três finais. Não veio a medalha, mas fiquei satisfeita com meu desempenho", afirmou a atleta, que terminou na quinta colocação nas barras assimétricas, foi sexta no solo e ficou em sétimo na trave.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.