Daiane: foco agora é a Olimpíada

Após o primeiro lugar nos exercícios de solo, na etapa alemã daCopa do Mundo, em Stuttgart, no sábado, a ginasta Daiane dos Santosvoltou nesta terça-feira ao Brasil confiante e ciente de que a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas está cada vez mais próxima. E não escondeu os trunfos para chegar à conquista sonhada: esforço e dedicação total nostreinos."Mais difícil do que chegar lá é se manter", frisou Daiane, que retomaos treinos nesta quarta-feira, em Curitiba, com a seleção olímpica permanente e, na sexta-feira, viaja para Porto Alegre, onde passará o final de semanacom a mãe Magda, o pai Moacir e as irmãs Daise, Cíntia e Jéssica."Teremos que trabalhar muito mais para nos manter entre os primeiros."Convicta de que seu melhor aparelho é o solo, Daiane vive, agora, aexpectativa de criar e apresentar um novo exercício em Atenas. Noentanto, disse que o movimento dependerá do técnico da seleção, oucraniano Oleg Ostapenko, de férias em seu país e com retorno ao Brasilprevisto para 5 de janeiro.A desenvoltura no solo levou Daiane a fazer história na ginástica aoganhar o Mundial de Anaheim, nos Estados Unidos, em agosto, eapresentar um novo movimento, o ?duplo twist carpado?, que recebeu onome de "Dos Santos". A acrobacia foi catalogada pela FederaçãoInternacional de Ginástica (FIG) com o grau máximo de dificuldade, ?E?.Desta vez, na competição alemã, a atleta aperfeiçoou o exercício eassegurou o primeiro lugar ao mostrar o inédito ?duplo twistesticado?.A diferença entre os dois movimentos está na maneira como Daianeexecuta os dois saltos mortais. No ?duplo twist carpado?, as pernas daatleta estão dobradas à altura do peito. Já no ?duplo twist esticado?,as pernas estão estendidas. Agora, existe o suspense de que, em um novoexercício, ela poderia encerrá-lo com uma pirueta.Em sua atual série, Daiane executa quatro acrobacias, sendo três denível E e uma D, além de 5 elementos da ginástica, três D e dois C.Para assegurar a medalha de ouro olímpica, a atleta já sabe que terá derealizar todos os movimentos acrobáticos do nível E. O restante dosexercícios ficará no nível D.Apesar do bom momento, Daiane rejeitou o rótulo de "estrela" daginástica brasileira e o fato de que teria desbancado do posto acarioca Daniele Hypólito. Para a atleta gaúcha, o mais importante érepresentar bem o Brasil nas competições. Exibições que, segundo ela,fizeram com que o "mundo" da ginástica passasse a respeitar o País eficasse ansioso pelas apresentações de suas atletas."Todos da seleção são estrelas. Um dia isso tudo pode acabar e sersomente uma fase. Espero que não passe", contou Daiane. "Não me fizsozinha. Ninguém vê na hora que estou chorando nos treinos, cansada, eaí as outras atletas é quem estão lá para dar apoio."E, mesmo com os atuais bons resultados, Daiane é enfática ao dizer quesomente uma medalha nos Jogos Olímpicos poderia assegurar suapermanência no Esporte. A presença de Ostapenko à frente da seleçãotambém será mais um fator na hora da decisão. No entanto, se optar porparar em 2004, aos 21 anos, a gaúcha , que cursa Educação Física, játem planos para quando encerrar sua carreira: se dedicar à orientaçãode crianças com Síndrome de Down."Após as Olimpíadas, vou ver como me sinto fisicamente e se dá paracontinuar. Não sei o que vai acontecer, mas posso parar", afirmouDaiane, que na Alemanha ainda conquistou o quinto lugar no salto e asexta colocação na paralela. "Sou ginasta porque gosto de fazerginástica. Não vale à pena fazer isso para ganhar dinheiro e serfamoso. É muito sacrificante."Alegre por retornar ao Brasil, Daiane provocou risos, durante umacoletiva na sede do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), no centro, aodeclarar seu time de coração: o Corinthians. Apesar de gaúcha, revelousua paixão pelo clube paulista e disse não se importar com uma possívelrepresália dos conterrâneos."Fui criada dentro do Internacional, meu pai é colorado e tive umcunhado que jogou no Grêmio, além de eu ser amiga do RonaldinhoGaúcho", explicou Daiane, aos risos. "Gosto tanto do Internacionalquanto do Grêmio mas, para dizer a verdade, sou é corintiana."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.