Daiane será operada e não vai à Superfinal

Ginasta sofrerá cirurgia na quinta-feira e ficará fora da competição de dezembro. Laís Souza também passará por operação no mesmo dia

Daniel Brito, O Estadao de S.Paulo

21 de outubro de 2008 | 00h00

Mais duas ginastas brasileiras que disputaram os Jogos de Pequim vão ter de parar por causa de lesão. Daiane dos Santos e Laís Souza, ambas do Clube Pinheiros, vão entrar na sala de cirurgia do Hospital Oswaldo Cruz, na capital paulista, na quinta-feira.Laís terá de retirar fragmentos da cartilagem do joelho direito e em três semanas poderá voltar aos treinamentos. O caso de Daiane é muito mais complexo. Ela sofre de osteotomia, que é uma espécie de deformação do osso, também do joelho direito, muito provavelmente causada pelas fortes cargas de treinamento. Em setembro, a carioca Jade Barbosa apresentou lesão no punho direito e está fazendo um treinamento leve no Rio.Os problemas tiram Daiane e Laís da etapa de Stuttgart da Copa do Mundo, e da Superfinal, em dezembro, em Madri. Daiane pode ficar até seis meses em recuperação. A atleta e o médico Wagner Castropil darão entrevista coletiva hoje."Não vai fazer diferença na carreira da Daiane uma Copa do Mundo a mais ou outra a menos", opinou o argentino Raimundo Blanco, treinador de Daiane no Pinheiros. "Ela tem condições de recuperar os pontos que deve perder em Madri."Após três anos na liderança do ranking mundial no solo, a gaúcha perdeu o posto para a romena Sandra Izbasa. O treinador se mostrou favorável à cirurgia e disse que a lesão atrapalhou no desempenho de Daiane em Pequim. "Você vai para uma corrida de carros onde todos os competidores tem os quatro pneus funcionando normalmente e você tem um pneu murcho. Você acha que pode ganhar de alguém assim?", questionou. ATERRISSAGEMDaiane ficou em 6º lugar na Olimpíada, após pisar fora do tablado por duas vezes na aterrissagem. "Ela é conhecida por ser muito boa na decolagem dos saltos, mas tem um problema de aterrissagem. Em Pequim, a lesão atrapalhou, porque ela competiu com dores no joelho", diagnosticou Blanco. "Não posso dizer se ela deveria operar antes da Olimpíada. O importante é pensar no futuro", daclarou.Esta será a quarta operação que a ginasta fará no joelho, a terceira só no direito. Antes dos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, em 2003, ela passou por uma artroscopia. No ano seguinte, às vésperas da Olimpíada de Atenas, submeteu-se a um procedimento para retirar pedaços da cartilagem. A quinta colocação alcançada nos Jogos de 2004 foi atribuída à operação, que teria sido feita muito próxima da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.