Daiane volta aos treinos já na quarta-feira

Após brilhar na etapa do Rio da Copa do Mundo de Ginástica, Daiane dos Santos seguiu nesta segunda-feira para Porto Alegre, onde vive sua família. Mas o tempo de descanso será pequeno. Na quarta ela já volta para Curitiba e retoma os treinos com o restante da equipe feminina - o trabalho não irá parar nem na Páscoa. Já Daniele Hypólito, que mora no Rio, só deve seguir na próxima semana para Curitiba - ela deixará de treinar no Flamengo para se integrar em definitivo à seleção olímpica permanente.Daniele ainda não confirmou seu retorno a Curitiba. Preferiu dizer que Flamengo e a Confederação Brasileira de Ginástica (CBGin) decidirão o seu futuro. Mas, além dela já ter obtido o aval de sua treinadora, Georgette Vidor, a mãe da ginasta, Geni Hypólito, informou nesta segunda-feira que um patrocinador vai pagar o aluguel de uma casa para a família em Curitiba."Vamos resolver tudo com calma e ver o que é o melhor para a Dani.Mas, dessa vez, temos um patrocinador que vai pagar o aluguel de uma casa para eu ir ficar com ela", revelou Geni.Em seguida, em uma rápida conversa com a supervisora da seleção brasileira, Eliane Martins, a mãe de Daniele contou que telefonará para a dirigente, ainda esta semana, com o objetivo de acertar o retorno da filha para Curitiba. Geni quis, inclusive, saber se existe casas para alugar próximas ao centro de treinamento.Assédio - Acompanhada por seu irmão Diego, que amanheceu febril nesta segunda-feira, Daniele reservou o dia para compromissos profissionais. Ela gravou programas para TV e depois, viajou para São Paulo, também para cumprir agenda com patrocinadores. Desde domingo, a ginasta já recebeu mais quatro ofertas de patrocínio, após seu desempenho na Copa do Mundo, quando obteve as medalhas de ouro, na trave de equilíbrio, e a de prata, nas paralelas assimétricas.O assédio aos irmãos Hypólito só foi superado por Daiane dos Santos. Mesmo tendo ido dormir na madrugada de segunda-feira, por causa da festa de comemoração pelo desempenho da seleção brasileira em um bar na Barra da Tijuca, ela acordou às 7 horas e, antes de deixar a cidade, realizou um rápido passeio pela Praia do Pepê com as demais colegas de equipe.Mesmo cansada de tanto assédio, Daiane demonstrou paciência ao distribuir alguns autógrafos para turistas e esportistas, como o boxeador norte-americano Rock Allen, de 22 anos, que pediu para assinar uma revista semanal com uma reportagem sobre a ginasta. "A vi pela tevê e gostei. Hoje, fui comprar um cartão telefônico, vi a revista e a adquiri, mesmo sem entender o que está escrito", contou o atleta.De bom humor, Daiane também brincou com os jornalistas, depois do batalhão de perguntas que teve que responder, domingo, ao ganhar a medalha de ouro no solo. "Só espero que vocês não me perguntem se vou mudar a coreografia do Brasileirinho, se gostei de competir em casa, se sou favorita para ganhar a medalha em Atenas..."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.