Dakar vira atração turística na Mauritânia em dia de folga

Um dia após o duríssimo percurso entre Zouérat e Atar, na qual muitos competidores desistiram e outros tantos tiveram sérios problemas - entre eles, alguns da equipe Petrobras - neste sábado não houve competição no Rally Dakar 2007. É o chamado "dia de descanso", mas na verdade são poucos os que conseguem descansar. Os mecânicos estão trabalhando à toda para deixar os carros em dia. Os pilotos estão orientando esse conserto e estudando o caminho das próximas etapas, ao lado dos navegadores. Com o dia atípico, o acampamento virou atração turística. Entre sexta e sábado chegaram mais de 100 turistas vindos de Portugal, trazidos por agências de turismo e patrocinadores para ver o "circo" do Dakar. No domingo, tudo volta ao normal, com a disputa da etapa entre Atar e Tichit, na Mauritânia. Soma dos abandonos O Dakar começou no último dia 6, em Lisboa (Portugal) com 510 veículos (245 motos, 180 carros e 85 caminhões). Após sete dias de prova, 136 abandonaram (70 motos, 48 carros e 18 caminhões). Problemas para Kolberg e Bampi O sétimo dia do rali foi catastrófico para a dupla Klever Kolberg e Eduardo Bampi, mesmo antes da largada: logo pela manhã, os dois descobriram que todo o seu dinheiro havia sido roubado em Zouérat, na Mauritânia, local de partida da 7.ª etapa. Além do problema "extra-pista", os brasileiros também sofreram com as quebras. ?Por volta do km 100 do trajeto, uma rocha trincou o diferencial traseiro. Ainda rodamos até o km 124, mas como forçamos muito só com tração dianteira, o câmbio quebrou e o carro parou de vez", disse Kolberg. Bampi seguiu com os locais até Choûm, encontrou a equipe de apoio e, debaixo de uma violenta tempestade de areia, localizou Klever e o Mitsubishi sozinhos no meio do deserto por volta de 21h30. Os mecânicos não conseguiram consertar o carro e o rebocaram. A trupe só chegou a Atar às 3h da madrugada, achando que já havia sido desclassificada. A organização da prova ainda divulgou quantas horas serão acrescentadas ao tempo de Klever e Bampi devido às três penalizações - uma por não passar pelos Postos de Controle, outra por estourar o limite de tempo permitido para completar a etapa, e a última por terem sido rebocados até o destino do dia. Até a sexta etapa eles estavam na 55.ª posição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.