Patrick B. Kraemer/EFE
Patrick B. Kraemer/EFE

'Dama de Ferro' se torna a primeira mulher tetracampeã mundial na natação

Katinka Hosszu conquistou medalha de ouro na prova dos 200 metros medley na competição realizada em Gwangju, na Coreia do Sul

Redação, Estadão Conteúdo

22 de julho de 2019 | 10h48

A natação conheceu nesta segunda-feira a primeira mulher a se tornar tetracampeã mundial. Na competição que está sendo realizada em Gwangju, na Coreia do Sul, a húngara Katinka Hosszu, a "Dama de Ferro" das águas, conquistou a quarta medalha de ouro seguida da prova dos 200 metros medley. Com o tempo de 2min07s53, ficou na frente da chinesa Shiwen Ye, prata com 2min08s60, e da canadense Sydney Pickren, bronze com 2min08s70.

Além dos títulos mundiais, Hosszu é a dona da melhor marca da prova na história, de 2min06s12, obtida em 2015. Nas semifinais em Gwangju, a húngara havia sido a primeira colocada com o tempo de 2min07s02.

Outras mulheres tiveram ou ainda têm a chance de igualar a marca de Hosszu. Nesta segunda-feira mesmo, a sueca Sarah Sjoestroem - campeã mundial em 2013, 2015 e 2017 - ficou com a medalha de prata na prova dos 100 metros borboleta ao ser superada pela canadense Margaret Macneil. A diferença dos tempos foi bem significativa, com 55s83 para Macneil contra 56s22 de Sarah. O bronze ficou com a australiana Emma McKeon, com 56s61.

Nesta semana da disputa da natação no Mundial, quem pode se tornar também tetracampeã é a norte-americana Katie Ledecky. E o seu feito pode ser obtido em dobro, nas provas dos 800 e dos 1.500 metros.

OUTROS RESULTADOS

Nos 100 metros peito masculino, o britânico Adam Peaty confirmou o favoritismo e venceu a prova com o tempo de 57s14. Ele, porém, ficou acima do seu recorde mundial, batido nas eliminatórias do último domingo, com a marca de 56s88. A prata ficou com seu compatriota James Wilby, com 58s46, e o bronze acabou com o chinês Zibei Yan, com 58s63.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.