Damião e Pato agradaram o treinador

Os dois foram elogiados por Mano - mas o atacante do Inter está na frente do craque do Milan na briga pela posição

ESTOCOLMO, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2012 | 03h08

Leandro Damião e Alexandre Pato travam há alguns meses uma briga ferrenha pelo posto de centroavante titular do Brasil e o jogo de ontem não serviu para aumentar a vantagem de Damião, nem para Pato se igualar ao concorrente, já que ambos cumpriram a obrigação de quem joga nessa glamourosa e ingrata posição: fazer gols. O jogador do Internacional marcou um, o do Milan fez dois e tudo ficou como já estava antes do amistoso.

Como era de se prever, Mano Menezes elogiou os dois. Para começar, ele admitiu que em outras circunstâncias não escalaria um jogador como Damião, muito mais um trombador do que um atacante refinado. "A seleção não tinha muito como característica ter um centroavante assim, mas ele fez por merecer a posição que está ocupando no momento."

Para Pato, o treinador da seleção reservou palavras mais doces. E por uma razão muito simples: como Damião é o titular, Mano acredita que é preciso cuidar melhor do jogador do Milan para que ele não se desmotive ou se revolte com o fato de ficar sempre no banco de reservas. "O Pato fez toda a preparação com a gente e vai voltar para o seu clube mais confiante. O que é bom, porque depois ele volta para a seleção ainda mais confiante", falou o treinador. "Estou bastante satisfeito com a produção tanto do Damião quanto do Pato."

Depois do desastre que foi a temporada passada para Pato, que passou muito mais tempo no departamento médico do Milan do que nos gramados, tudo o que ele quer agora é ter uma temporada inteira sem lesões. E ele sabe que para isso serão muito importantes as semanas que passou trabalhando com a comissão técnica da Seleção, que fez com ele um trabalho especial para eliminar o desequilíbrio muscular nas pernas que era a causa de seus problemas.

"Fiquei muito contente de vir para a Seleção e trabalhar com ótimos profissionais. Fiquei muito contente também pelos gols, mas eu fico sempre com um gostinho de quero mais. Eu quero jogar mais pela Seleção, fazer mais gols, e é para isso que vou trabalhar", comentou o jogador. "Eu já esqueci o que passou (as lesões). Agora é uma nova temporada, estou feliz e quero fazer gols e dar títulos ao Milan, já que o Milan é um clube que precisa sempre ganhar títulos." / M.S.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.