Dana White admite que Anderson Silva pode lutar no fim deste ano

Após conversa com médico do brasileiro, presidente do UFC diz que recuperação é 'incrível'

O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2014 | 13h47

SÃO PAULO - Em recuperação após cirurgia, Anderson Silva pode voltar ao octógono ainda neste ano. Após a realização do UFC 170 na madrugada do último domingo, o presidente do evento, Dana White, admitiu a possibilidade de o brasileiro competir pelo torneio ainda em 2014, depois de sofrer fratura na perna esquerda, em dezembro do ano passado.

Na conversa com os jornalistas, Dana White demonstrou surpresa ao falar da recuperação do brasileiro. "O médico dele me mostrou o raio-x da perna quebrada e disse que a recuperação dele é sensacional, e que, em oito semanas, o osso fraturado praticamente se regenerou de forma muito rápida. Parece que outras pessoas que já passaram por uma lesão parecida levam alguns anos para ter a recuperação que o Anderson teve em cerca de dois meses", disse.

O presidente do UFC também admitiu que o médico estava confiante na recuperação do brasileiro até o fim do ano. Porém, o chefão do evento ainda prefere esperar um pouco mais. "É uma previsão muito otimista, mas vamos ver o que vai acontecer, porque ele ainda vai passar por treinos e tudo é possível. Tem a possibilidade de ele voltar a treinar e não se sentir o mesmo", disse Dana, que terá uma conversa nesta quarta-feira com Anderson Silva e o coproprietário do UFC, Lorenzo Fertitta.

Depois de fraturar a tíbia e a fíbula em revanche pelo cinturão dos pesos-medios contra Chris Weidman, Anderson Silva vem mostrando evolução rápida em sua recuperação. Por meio das redes sociais, o lutador de 38 anos costuma atualizar os fãs sobre a melhora de sua perna esquerda. Recentemente, o atleta postou vídeo caminhando sem ajuda de muletas.

Tudo o que sabemos sobre:
ufcanderson silvadana whitemma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.