Danica Patrick vence GP do Japão e entra para a história

Norte-americana de 26 anos é a 1.ª mulher a vencer uma prova de automobilismo em circuito fechado

Milton Pazzi Jr., O Estadao de S.Paulo

21 de abril de 2008 | 00h00

A musa norte-americana Danica Patrick, de 26 anos, entrou de vez para a história do automobilismo mundial ao vencer na madrugada de ontem o GP de Motegi (oval), no Japão, terceira etapa da Fórmula Indy. Foi a primeira vitória de uma mulher em um evento de circuito fechado do automobilismo mundial, colocando fim a uma expectativa de quase quatro temporadas. Mais fotos da vitória de Danica ''Eu imaginava que não ia conseguir, e na minha volta mais rápida foi quando deu tudo certo. Tive de economizar combustível, foi difícil... Quando eu disse obrigado, no rádio, à minha equipe, não agüentei a emoção'', explicou, chorando. A vitória emocionante foi na base da técnica, graças à estratégia da equipe Andretti Green.Ela passou a corrida em posições intermediárias, economizando combustível para realizar menos paradas, e só chegou à ponta na volta 198, a duas do fim. A ultrapassagem sem dó em Hélio Castroneves, o segundo colocado e líder da classificação, foi bastante comemorada, e a bandeirada, cercada de muito emoção de sua família e seu marido, Paul Hospenthal, que acompanhavam a corrida.Danica já tinha seu nome na história por ter liderado 19 voltas da tradicional 500 milhas de Indianápolis em 2005, seu ano de estréia. Seu melhor resultado antes desta vitória tinha sido um segundo lugar no GP de Belle Isle (Estados Unidos), no ano passado, quando terminou em sétimo lugar na temporada. Acumula agora 50 corridas e três pole positions na carreira.A prova, que teve muitas bandeiras amarelas, mas nenhum acidente grave, foi ruim para o brasileiro Vítor Meira (Panther), que teve de parar na volta 92 por acidente. A categoria volta às pistas no próximo domingo, quando acontece o GP do Kansas, nos Estados Unidos.No outro GP do fim de semana, em Long Beach, na despedida da falida Champ Car, o vencedor foi o australiano Will Power.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.