Daniele ganha ouro, prata e bronze

A ginasta brasileira Daniele Hypólito conquistou neste domingo a medalha de ouro no solo e bronze nas barras assimétricas no Torneio Internacional de Marselha, na França. Após conquistar a prata no Mundial da Bélgica, em Ghent, há menos de um mês, dessa vez Daniele marcou 9.525 pontos e deixou para trás a romena Andrea Raducan, campeã mundial na modalidade, com 9.350, e a holandesa Verona Van de Leur, com 9.325 pontos. Nas assimétricas, seu ponto mais fraco, Daniele marcou 9.158 pontos e perdeu para a holandesa Verona e a russa Loudmila Ejova, que empataram em 9.588 pontos e dividiram o ouro. A medalha de prata foi ganha no sábado, no geral individual. "Não estou acreditando até agora, que superei a melhor do mundo no solo! Não vejo a hora de voltar ao Brasil com mais estas três medalhas: uma de ouro, uma de prata e uma de bronze. Vou comemorar muito com meus familiares e amigos", comemorou a atleta. "A Daniele, nesta competição, só confirmou todo o seu potencial e consolidou o seu nome na história da ginástica olímpica brasileira e internacional", declarou Georgette Vidor, treinadora de Daniele desde 1994. No sábado, a brasileira ficou em segundo lugar geral individual - marcou 37.301 pontos e ficou atrás de Raducan, que obteve 37.337. A terceira foi a também romena Silvia Stroescu, com 36.939. O torneio francês reuniu as oito melhores seleções colocadas no último Mundial, além da participação de equipes de clubes de várias partes do mundo. O Flamengo, convidado, viajou com uma delegação composta de três ginastas - Daniele, Coral Borda e Thaís Cevada - e de dois treinadores, Georgette Vidor e Ricardo Pereira. Mesmo com a ausência de última hora de Thaís na competição, que sofreu uma lesão no pé e teve que ser operada na França, a equipe ficou com o quarto lugar, atrás de Romênia, Rússia e Holanda. A delegação brasileira deve chegar ao País terça-feira, sem horário confirmado. Durante a cerimônia de premiação das três melhores ginastas na categoria individual geral, Georgette recebeu flores da melhor ginasta do mundo na atualidade, Andréa Raducan, que neste domingo ainda conquistou o ouro no salto sobre cavalo. "Foi um momento inesquecível. Todos os técnicos subiram ao pódio com suas respectivas ginastas, menos eu devido a minha impossibilidade de andar. Foi aí que pintou a surpresa para mim, quando a Raducan desceu do lugar mais alto do pódio, correu em minha direção, e me entregou flores", contou Georgette.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.