Daniele já admite treinar em Curitiba

Daniele Hypólito admitiu hoje a possibilidade de ir para Curitiba com o objetivo de treinar com a seleção de ginástica olímpica permanente e deixar "temporariamente" o Flamengo. A atleta retornou ao Brasil, após conseguir o quarto lugar nos exercícios de trave, na Copa do Mundo de Ginástica Artística, domingo, em Stuttgart, na Alemanha. "Treinar lá só se for obrigada. Mas, se isso acontecer, vou conversar com o Hélio (Ferraz, presidente do Flamengo) para estabelecermos períodos de treinos fora do clube", disse Daniele. "O que eu não quero é ficar de fora da seleção. Se disserem: tem que vir. Eu vou." Após um mês e meio longe de casa e depois de disputar a última competição do ano, Daniele fez um balanço positivo sobre 2002. Lembrou de alguns resultados expressivos como a medalha de ouro na primeira etapa da Copa do Mundo, em Cottbus, também na Alemanha, e o quinto lugar nos exercícios de solo, no Mundial de Ginástica por Aparelhos, em Debrecen. Para Daniele, o fato de não ter ganho muitas medalhas neste ano não significa que houve um retrocesso em seu desempenho. Ela explicou que ficar entre as cinco melhores do mundo em uma competição é um excelente resultado. "Não me sinto na obrigação de ganhar medalhas. Esse esporte é complicado", frisou Daniele. "Não fico me cobrando para ganhar medalhas. O importante é que o Brasil foi lá e mostrou que está bem na ginástica. Até no masculino, que é muito mais difícil, meu irmão (Diego) conquistou um grande resultado (quinto lugar na prova dos exercícios de solo no Mundial de Ginástica por Aparelhos, em Debrecen, na Hungria)." Sobre 2003, Daniele ressaltou duas de suas principais preocupações: as disputas do Pan-Americano em São Domingos, no mês de agosto, e o Mundial de Ginástica, em Los Angeles, uma semana depois. Ressaltou ainda que, neste período, disputará um total de oito competições, em dez dias. A surpresa para Daniele, logo ao desembarcar, foi saber por sua assessoria que irá treinar até o dia 28 e retornar à rotina em 2 de janeiro. A ginasta acreditava que a partir do dia 20 já estaria liberada para comemorar o Natal e a passagem de ano. No Aeroporto Internacional Tom Jobim, a atleta foi recebida por sua mãe Geni, além dos irmãos Edson e Diego.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.