Daniele tenta se adaptar a uma nova rotina

As conseqüências negativas de ter deixado a seleção olímpica permanente de ginástica já começaram a atingir uma das principais atletas do país, Daniele Hypolito, que desde segunda-feira retornou aos treinamentos no Flamengo. Se antes sua única preocupação era a de treinar, agora, precisa resolver vários problemas como arrumar um novo treinador, dividir o ginásio rubro-negro com atletas de nível técnico inferior, além de se adaptar a uma rotina sem tantas regalias. Diante do futuro incerto, Daniele mostrou-se tranqüila. Diz ter como meta treinar para poder participar de seletivas promovidas pela Confederação Brasileira de Ginástica (CBGin) e assim voltar a representar o País em competições internacionais. Mas, por enquanto, ir novamente a Curitiba, sede da entidade e onde a equipe treina, não está em seus planos. "Acho que valeu a pena ter feito o que fiz, porque sou atleta. Tem males que vêm para o bem. Sempre soube me adaptar a diversas situações e não será diferente agora", contou Daniele, que desistiu de participar da etapa brasileira da Copa do Mundo, em São Paulo, realizada no final de semana, ao não ser inscrita para disputar dois aparelhos. "Claro que minhas avaliações para retornar serão mais rígidas, porque os avaliadores que estão em Curitiba não me vêem mais todo tempo." Em dois dias de treino no Flamengo, pela manhã e à noite, Daniele já percebeu que será preciso redobrar os esforços para evitar ao máximo o desgaste de sua condição técnica. A princípio, ficará sob os cuidados da técnica do clube Viviane Cardoso, que trabalha com ginastas de até cinco anos. Um novo treinador deve ser contratado exclusivamente para Daniele, mas a falta de recursos dificultam a transação. Além de um técnico, a ginasta também perdeu o acompanhamento psicológico e nutricional destinados exclusivamente aos atletas da seleção. Financeiramente, ficou sem a verba repassada pela CBGin para os atletas da equipe brasileira e está somente com um patrocinador - chegou a ter seis. "Estou pensando no presente. Agora, o que será do meu futuro, não sei", frisou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.