De Guaratinguetá para o mundo

Sensação no início do Paulista, clube planeja comprar equipe na Europa para ampliar negócios

Cosme Rímoli, O Estadao de S.Paulo

12 de fevereiro de 2008 | 00h00

A preocupação da diretoria do Guaratinguetá vai muito além da partida de hoje, às 19h30, contra o Rio Claro. Vencer e retomar a liderança do Campeonato Paulista e ficar à frente de São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Santos pode parecer algo muito distante para uma agremiação de apenas dez anos de vida. Mas a ousadia do Guaratinguetá Futebol Ltda é grande."Estamos nos estruturando para comprar uma equipe no exterior. Vamos eliminar os intermediários", conta o empresário e presidente honorário do clube, Sony Alberto Douer. "Não queremos ceder nossos melhores jogadores ao Corinthians ou ao Palmeiras e depois mendigar uma porcentagem em futura venda à Europa. Comprando um clube europeu tudo ficará mais fácil e lucrativo."O raciocínio não é tão complicado. "Nós queremos comprar uma equipe da Segunda Divisão da Bélgica, de Portugal ou da Suíça. Elas são sociedades anônimas. Basta comprar, e não é tão caro quanto as pessoas possam imaginar", explica Douer. "Queremos investir num país em que seja possível levar o maior número de brasileiros e disputar o campeonato lá", revela. "Os atletas que se destacam lá valem muito mais do que os que surgem aqui. O Afonso é um grande exemplo. Ele custou ao Middlesbrough R$ 41 milhões. Se saísse do interior paulista, quanto pagariam? Time europeu só paga caro em jogador que atua na Europa. E nós queremos ganhar dinheiro. Vamos direto na fonte." Os empresários dizem que o investimento não será tão alto. "Eu tenho a informação de que um clube da 2ª Divisão espanhola está à venda por 12 milhões (cerca de R$ 30 milhões). E olha que na Espanha o futebol é muito mais caro. Vamos buscar recursos para assumir esse clube europeu. É um sonho realizável", comenta o empresário Carlos Arini, presidente do Guaratinguetá e sócio de Sony. Os dois usam a parceria realizada entre Bragantino e Corinthians como exemplo do que não desejam."O Bragantino fez um Campeonato Paulista espetacular em 2007. Depois cedeu cinco de seus melhores jogadores ao Corinthians. O plano era valorizá-los e depois vendê-los ao exterior repartindo o lucro. Lógico que o Corinthians aceitou. Não gastou nada e ainda pôde utilizar os atletas. O Zelão e o Everton Santos foram vendidos e o Corinthians ficou com a metade da venda. O Felipe se valorizou e, se for vendido, o Bragantino vai ficar com uma parte menor da venda. Isso não acontecerá conosco", assegura Arini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.