De La Hoya x Pacquiao, duelo da força contra a velocidade

Esperado combate em Las Vegas pode marcar o fim da carreira do milionário norte-americano

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

A força e experiência do norte-americano Oscar De La Hoya serão testadas hoje, no ringue do MGM Hotel, em Las Vegas, diante da juventude e da velocidade do filipino Manny Pacquiao. O combate vale pelos meio-médios (até 66,678 quilos), categoria que De La Hoya não luta há nove anos, pois subiu de peso, enquanto Pacquiao jamais atingiu tal marca na balança. O evento será transmitido pelo canal HBO plus, a partir das 23 horas. De La Hoya x Pacquiao começa às 2h30 da madrugada de amanhã.Uma derrota vai significar para De La Hoya o fim de uma carreira brilhante, com dez títulos mundiais conquistados em seis categorias e quase US$ 500 milhões na conta bancária. A vitória vai colocá-lo diante de mais um desafio ano que vem, em Wembley, em Londres, diante do britânico Rick Hatton, para mais de 100 mil pessoas. Hatton, que está em Las Vegas, também será o próximo adversário de Pacquiao, caso o filipino vença. Aí, o duelo será em Dubai.A diferença de tamanho entre os lutadores causou polêmica para a luta. O presidente do Conselho Mundial de Boxe, Jose Sulaymán, foi contra. "O boxe, como todas os esportes, precisa de atrações. E esta é uma das maiores de todos os tempos", disse Larry Merchant, de 77 anos, comentarista da HBO.O combate ganhou um tempero a mais a partir do momento em que De La Hoya considerou o duelo "pessoal". Acontece que Pacquiao assinou ano passado um pré-contrato com a Golden Boy Promotions, empresa de De La Hoya, para sete lutas. Chegou a receber US$ 300 mil de adiantamento, mas acabou assinando com a Top Rank, do lendário Bob Arum. O caso foi parar na Justiça e só um acerto propiciou a realização do combate. "Nunca imaginei enfrentá-lo, mas agora não vejo a hora de subir no ringue e vencê-lo. Não ficarei nada satisfeito se não for por nocaute. Ele vai me pagar", disse um furioso De La Hoya. "Garanto que farei o meu melhor, como sempre fiz", evitou polemizar um tímido Pacquiao.Para De La Hoya, a vitória significa também o fim de um jejum de seis anos sem vencer um grande confronto. A última vitória de porte ocorreu em 2002, diante do compatriota Fernando Vargas.A guerra de palavras segue entre os técnicos. Ignacio "Nacho" Beristain afirmou que De La Hoya vai lutar "corretamente desta vez". Segundo o experiente treinador mexicano, o pupilo não foi bem orientado por Freddie Roach na derrota para Floyd Mayweather ano passado. "Oscar sabe por que mudou a tática e perdeu a luta", retrucou Roach, que estará no córner de Pacquiao. Do lado de De La Hoya estará também o lendário Angelo Dundee, de 87 anos. Sua presença fez alguns especialistas acreditarem que De La Hoya poderá "dançar" ao melhor estilo Muhammad Ali e Sugar Ray Leonard, campeoníssimos pugilistas treinados por Dundee, para fugir do assédio inicial de Pacquiao.PESO SURPREENDEMais de sete mil pessoas acompanharam a pesagem ontem. De La Hoya surpreendeu: apenas 65,9 quilos. Pacquiao atingiu o maior peso da vida: 64,3 quilos. O filipino recebeu, na quinta-feira, a visita de Mike Tyson, que prometeu torcer por ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.