Jaime Lopez/Divulgação
Jaime Lopez/Divulgação

De olho na Olimpíada, Ghislain Perrier mostra motivação para ajudar esgrima

Com a equipe de florete, o franco-brasileiro conquistou o ouro nos Jogos Sul-Americanos

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

21 Março 2014 | 10h00

SÃO PAULO - De olho em medalhas na Olimpíada do Rio, em 2016, o Brasil tem seguido a fórmula dos "plastic brits", usada pelo Reino Unido há quatro anos, e trabalha para naturalizar estrangeiros nos esportes de pouca tradição. Com isso, o franco-brasileiro Ghislain Perrier foi integrado à seleção brasileira de esgrima e já mostrou o seu valor ao ajudar a equipe de florete a faturar o ouro nos Jogos Sul-Americanos, no Chile.

Para o atleta, a busca por reforços que vivem na Europa é uma maneira de ajudar a esgrima nacional a se fortalecer. "É totalmente positivo. O objetivo para os Jogos Olímpicos é classificar as equipes para podermos ter representantes nas provas individuais. Se a equipe não se classifica, é muito mais complicado. É uma chance suplementar para o individual", afirma.

Nascido em Fortaleza, Ghislain foi adotado por um casal de franceses e deixou o Brasil quando tinha apenas um ano. Até hoje não conhece os pais biológicos. 'Obrigado', 'de nada', 'eu gostaria' são algumas das expressões que sabe pronunciar em português, mostrando pouco envolvimento com a terra natal. O primeiro contato com os outros esgrimistas brasileiros, como Renzo Agresta e Taís Rochel, foi durante uma semana de treinamentos no Rio antes da viagem a Santiago. Apesar da barreira da língua, ele se sentiu à vontade com os novos companheiros. "Todos foram muito gentis", exalta.

E ele já tem dado uma boa impressão aos colegas. "Estou conhecendo ele agora, mas acho que está vindo para agregar. A intenção é realmente buscar os resultados pelo Brasil e parece que está bem motivado", comenta Renzo.

Quando criança, o franco-brasileiro dava preferência aos esportes coletivos, mas teve de deixar o futebol e o basquete de lado por sofrer de asma. Ele conta que acabou na esgrima "um pouco sem querer" aos sete anos e que foi se envolvendo com a modalidade com o passar o tempo. Aos 26 anos, pretende continuar com os treinamento no CTI Aubervilliers, próximo a Paris, e participar de tempos em tempos de estágios no Brasil, onde é licenciado pelo Pinheiros.

Ghislain acredita que dessa forma tem mais condições de evoluir ainda que classifique o esporte na França como "confidencial em alguns períodos". Ele explica que a modalidade ganha mais atenção durante os Jogos Olímpicos, mas que no geral a visibilidade na televisão é mínima. Apesar disso, não hesita ao comparar os dois países: "Com certeza a esgrima na França é mais popular que a esgrima no Brasil."

O atleta aponta a Olimpíada de 2016 como uma ótima oportunidade para a esgrima brasileira se desenvolver com o intercâmbio. "É importante pelos estrangeiros que vão vir, será uma oportunidade para se mostrar." E exibe motivação para ajudar o grupo nessa empreitada. Caso se classifique aos Jogos e tenha um adversário francês, vai enxergá-lo como qualquer outro estrangeiro. "Um francês será como um inglês e um russo. Antes eu representava a França, mas hoje defendo a equipe do Brasil", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.