De vermelho, equipe alerta para perigo do favoritismo

Foram 90 minutos de treino no palco do jogo, o Estádio Mohammed bin Zayed. Um trabalho de finalização para reconhecimento do gramado. Hoje, o time entrará todo de vermelho para sua primeira batalha no Mundial (ao contrário de 2006, quando foi campeão usando apenas o uniforme branco). Ontem, o elenco tratou de amenizar a história de que é o favorito. E todos usam o exemplo do Pachuca, que foi surpreendido nas quartas de final pelo Mazembe. "Se não tratarmos as coisas como elas devem ser tratadas, pode acontecer o que aconteceu com o Pachuca, que me parecia ser tratado como favorito", avisou o técnico Celso Roth. "É um jogo só e tudo pode ocorrer", alertou o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.