De virada, Santos goleia no Maracanã

Fluminense sai na frente, mas perde por 4 a 1, com show de Molina e Madson. Artilheiro Kléber Pereira faz dois e garante o placar arrasador

Leonardo Maia, RIO, O Estadao de S.Paulo

25 de maio de 2009 | 00h00

Com bela atuação, o Santos aplicou uma goleada sobre o Fluminense, por 4 a 1, de virada, em pleno Maracanã, ontem, pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Santos chega agora a sete pontos na tabela e vai animado e confiante para encarar o clássico contra o Corinthians, no próximo fim de semana."A gente esperava um jogo difícil, já que o Fluminense jogava em casa. Mas, graças a Deus, conseguimos impor nosso ritmo e saímos com uma grande vitória. Vivo um bom momento", disse, sem modéstia, Madson.O técnico alvinegro, Vágner Mancini, veio com uma surpresa de última hora. Com o jovem Neymar na reserva, Molina surgiu para dar mais experiência e cadência ao time. Deu certo.O jogo começou equilibrado, com o Santos se postando de maneira inteligente, evitando recuar em demasia e buscando o ataque. A partida era truncada, com muitos erros de passes. Mas, aos 9 minutos, Mariano fez boa jogada, tocou para Fred, que passou a Conca. O argentino chutou cruzado e a bola sobrou para o mesmo Mariano tocar no contrapé de Fábio Costa.O susto desestruturou o Santos por alguns instantes. Os visitantes tentaram, então, responder com sua melhor arma: a velocidade de Madson. Com a vantagem, o Fluminense se encolheu, tentando surpreender com lançamentos para Fred. Mas a tática era arriscada e permitia que o Santos crescesse. Os santistas eram valentes e tinham em Madson e Molina os mais presentes e participativos. Aos 37, a dedicação dos dois foi premiada. Eles tabelaram e Molina foi derrubado na entrada da área. O próprio Molina bateu rasteiro, no canto do goleiro, empatando. "Estamos bem na partida. Criamos muito mais chances que o Fluminense, mas futebol é assim. Não pode errar. É manter a concentração e atacar quando tiver a oportunidade", pediu Leo, voltando depois de dois meses de afastamento.As palavras do jogador serviram quase como uma profecia. Aos 6 minutos, mais uma vez a dupla Molina e Madson apareceu. O primeiro fez lindo passe para o segundo, que driblou o goleiro e tocou para as redes. A situação ficou complicada para os donos da casa aos 19 minutos. Madson foi lançado e se chocou com Dieguinho. O juiz Vuaden marcou a falta e aina expulsou o lateral.Aos 39 minutos, Neymar que acabara de entrar no lugar de Molina (na mudança inicial, Kléber Pereira deixaria o campo), lançou Madson, que cruzou para o artilheiro aumentar. Depois da expulsão de Eduardo Ratinho, aos 40, ainda houve tempo para Neymar chutar, Fernando Henrique espalmar e Kléber Pereira aproveitar com oportunismo, aos 41.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.