De volta ao Fla, Adriano fala em última chance

Apresentado no clube, atacante admite erros do passado e garante que está comprometido; deve estrear em um mês

LEONARDO MAIA / RIO, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2012 | 03h04

O discurso é o mesmo de tantas outras vezes. A cada deslize, a cada confusão, a cada recomeço, lá estão Adriano e suas promessas: um novo rumo em sua vida pessoal e em sua carreira. Foi assim novamente ontem, ao falar pela primeira vez desde que assinou contrato para ser o camisa 10 do Flamengo. Um penitente Imperador, admitindo equívocos cometidos e dizendo-se determinado a começar uma reviravolta. "Tenho que ter comprometimento. Não posso errar mais. Esta é minha última chance. Se não der certo, vou ter que me afastar (do futebol)."

Com o rosto rechonchudo, o sorriso característico que lhe cerra os olhos, o Imperador vestiu a camisa com a qual diz se sentir melhor, ladeado pela presidente Patricia Amorim, o vice de futebol, Paulo Cesar Coutinho, e o diretor executivo Zinho. Diante deles, garantiu empenho para cumprir horários e obrigações.

"Nunca neguei meus erros. Tive grande parte de culpa nisso tudo", disse, referindo-se aos últimos dois anos, quando passou mais tempo se recuperando de lesões graves do que em campo.

A figura de Adriano ainda mobiliza, como foi atestado pela enorme quantidade de câmeras e jornalistas, na improvisada "sala" de imprensa no CT do Ninho do Urubu. "Eu sei da pressão que existe sobre mim. Mas nunca me considerei o 'Imperador'. Sou humilde. Nunca gostei disso."

De volta ao Flamengo, Adriano vai reencontrar amigos, como o lateral Leonardo Moura e Vagner Love, com quem formou irresistível dupla no primeiro semestre de 2010, batizada de "Império do Amor" pelos torcedores rubro-negros.

O atacante tem certeza de que será bem recebido e não acredita que eventuais deslizes possam minar o relacionamento com os companheiros. "O Adriano só traz problemas para ele mesmo. Nunca criei problema com ninguém. Não sei o que vai ser daqui para frente. Mas tenho que ter mais responsabilidade", disse.

O acordo entre Flamengo e Adriano, até o fim do ano, pode ser vantajoso para as duas partes. O clube vai gastar pouco num primeiro momento, com o atacante recebendo um piso abaixo dos demais atletas de primeiro escalão, e mais bônus por jogos disputados e metas atingidas, como gols e títulos.

Adriano precisa de no mínimo um mês para jogar. Sua estreia poderá ser no jogo adiado do 1.º turno contra o Atlético-MG, dia 26 de setembro, em Volta Redonda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.