Decatleta brasileiro leva bronze e vira popstar por um dia

Único medalhista brasileiro nosegundo dia de competições do atletismo, o decatleta CarlosChinin, 22 anos, viveu um dia de popstar com o bronze na maiscompleta prova do esporte. Normalmente mal acompanhado pelo público por envolver 10provas diferentes ao longo de dois dias, o decatlo atraiu aatenção dos torcedores que foram nesta terça-feira ao Engenhãoe o medalhista de bronze brasileiro viu seu desempenhoaplaudido a cada prova. "Nunca vi tanta atenção para o decatlo. A sensação delevantar o braço e ser aplaudido como fui é inexplicável. Eu mesenti como um superstar no palco", disse Chinin, quicando dealegria ao comentar seus sentimentos, nem parecendo queencerrava a disputa de 10 provas que envolvem pista, saltos elançamentos. Chinin garantiu a medalha de bronze nos últimos metros daúltima prova do decatlo. Depois de perder no disco, na vara eno dardo a vantagem que tinha aberto para o cubano YordanGarcia no primeiro dia, Chinin sabia que tinha que superar orival nos 1.500 metros para chegar ao pódio. "Foi graças à torcida mesmo", disse Chinin, rejeitando oclichê. "Baixei 4 segundos do meu melhor tempo, que fiz quatroanos atrás", completou, referindo-se aos 4min23s99 queregistrou para vencer os 1.500m e sair para a galera em voltaolímpica triunfal. Para chegar à medalha, Chinin superou um problema sério,resultado do excesso de esforço. Ao retornar do Sul-Americanode Cáli, em 2005, foi participar dos Jogos Regionais, emCubatão, sua cidade natal, e no primeiro salto em distânciafraturou o tornozelo. Chinin só voltou a competir em julho do ano passado, edepois de ficar em segundo lugar no Troféu Brasil foi campeãodos Sul-Americanos Adulto e Sub-23, carimbando sua vaga para oPan. "Esse é meu primeiro Pan, há muitos anos o Brasil nãoparticipava no decatlo, melhorei minha marca, e tive o apoio datorcida", disse Chinin, ainda exultante, e já sonhando emrepetir o desempenho no Mundial Universitário, em Bangcoc, e noMundial Adulto, em Osaka. Para tanto, Chinin sabe que precisa melhorar noslançamentos, que não acompanham seus resultados na pista e nossaltos. "Preciso ficar mais forte. Corro e salto bem, mas não tenhoexperiência em força. Nunca fui de levantar ferro", diz Chinin,que elege o salto em distância, o salto em altura e os 110m combarreiras como suas melhores provas. A medalha de ouro do decatlo ficou com o jamaicano MauriceSmith, com 8.278 pontos, e a de prata com o cubano YordanGarcia, com 8.113 pontos. Chinin totalizou 7.977 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.