Decisão da bagunça

Caro leitor, no Brasileirão mais disputado da história deu a lógica: venceu o São Paulo, exemplo de organização no esporte. O destaque de sempre vai para Muricy e Rogério Ceni, duas figuras merecedoras de estátuas no Morumbi, e o Richarlyson, melhor jogador em campo contra o Goiás. Título inquestionável. Só não gostei dessa partida ter sido marcada para esse tal de "Bezerrão Stadium". Eita lugarzinho mais desorganizado! Fui maltratado o tempo todo pelos funcionários da Federação Brasiliense. Havia cinco sujeitos sentados embaixo do ar-condicionado que estavam com a missão de esculachar a imprensa de São Paulo. Um completo absurdo! Irritante! A única pessoa que se salvou por lá foi o Jorge Martins, presidente da Associação Brasiliense de Cronistas Desportivos. Esse senhor fez tudo o que cabia à Federação e nos proporcionou condições de trabalho um poco mais adequadas. Dentro de campo aconteceu o óbvio: o hexa. Fora dele também. Na terra da desordem política, um show de bagunça também no futebol. * * * * *Os times que encabeçaram a tabela ao longo do Brasileiro tiveram momentos de fracasso. O São Paulo talvez tenha ficado com o título porque o momento ruim foi no início. A arrancada na reta final foi importantíssima, porque as outras equipes fizeram o contrário. Grêmio, Cruzeiro, Palmeiras e Flamengo tiveram começo muito bom e queda vertiginosa do meio pro fim. Me impressionou a incompetência do time gaúcho em manter a liderança depois de estar muitos pontos na frente dos concorrentes. Os outros apenas ameaçaram mais foram fogo de palha. Ao menos o Verdão ficou com uma das vagas na Libertadores. Apesar da lambança de conselheiros e torcedores. * * * * *Além de manter a base campeã da Série B, o Corinthians pretende trazer bons reforços. Confirmado mesmo está apenas o volante Túlio, ex-Botafogo. Mas devem chegar o Souza, aquele mesmo que era artilheiro do Flamengo e que defende o Panathinaikos da Grécia, e Jorge Henrique, atacante que também atuava pelo Fogão. O Souza virá provavelmente para suprir a saída do Herrera, troca que por sinal acho benéfica para o Timão. Na minha opinião, o custo para contratar o argentino em definitivo não compensaria o benefício. Os dois estão praticamente acertados com o clube para o ano que vem. Outro nome que estava sendo ventilado, o do volante Martinez do Palmeiras, não vingou. Ele recebeu proposta irrecusável de um time francês. Até por isso tenho informações que a diretoria vai focar novamente as atenções para contratar o Escudero, lateral do Argentinos Juniors. * * * * *Contrastando com a péssima recepção que tive em Brasília para o jogo do Tricolor, nunca na minha carreira de comentarista tinha sido tão bem tratado como no Beira-Rio, em Porto Alegre, na final da Copa Sul-Americana. Ali constatei por que o Internacional vem crescendo tanto nos últimos anos. São 80 mil sócios e o único clube do Brasil a ser campeão de tudo. Na sala de troféus colorada tem um Mundial de Clubes, uma Libertadores, uma Sul-Americana, uma Recopa Sul-Americana, uma Copa do Brasil, três Brasileiros, além de 38 taças de estaduais. Simplesmente sensacional! Meus parabéns à diretoria colorada! Isso é para abrir os olhos de todos. O futebol brasileiro não se limita apenas ao eixo Rio-São Paulo. COLABOROU RENATO NALESSO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.