Decisão para Jorginho no Rio

Ganhar do Flamengo, amanhã no Maracanã, pode garantir efetivação do técnico no Palmeiras

Vítor Marques, O Estadao de S.Paulo

14 de julho de 2009 | 00h00

O Palmeiras está em compasso de espera para anunciar a efetivação de Jorginho no comando da equipe. Nem a saída de Carlos Alberto Parreira do Fluminense, ontem, alterou o cenário na Academia de Futebol. Internamente, a diretoria analisa os benefícios e os riscos de transformar o interino Jorginho, que até então dirigia o time B, no técnico da equipe principal.A favor de Jorginho estão o fato de ele contar com apoio dos jogadores e o custo-benefício na montagem da comissão técnica. Contra a efetivação, está a inexperiência e principalmente o calibre de Jorginho para suportar uma sequência de resultados negativos. Ele próprio, após os 4 a 1 sobre o Náutico, reconheceu que os bons resultados o ajudaram a ganhar moral no clube. Por outro lado, segundo ele, com duas, três derrotas, a situação muda de figura."O Palmeiras está passando por um momento de transição. Mas ainda estamos avaliando a situação. Tudo faz parte de análise da diretoria", afirmou o gerente de futebol Toninho Cecílio, que não quis entrar em detalhes sobre quais critérios estão sendo usados para confirmar ou não Jorginho."O jogo contra o Flamengo não pesa tanto. O que o Jorginho fez até aqui já o credencia para ser técnico do Palmeiras. Mas vamos esperar", completou Toninho, confirmando que a diretoria ainda estuda outros nomes para ocupar o cargo.Ele, no entanto, desconversou sobre Parreira, que mantém boa relação com a Traffic, parceira do clube. Parreira, considerado top, seria uma opção depois da negativa do clube em contratar Muricy Ramalho. "O Parreira poderia treinar qualquer equipe do Brasil, mas não o procuramos. Vamos seguir a linha de trabalho e esperar para ver", completou Cecílio.Uma vitória amanhã contra o Flamengo no Maracanã pode confirmar a efetivação de Jorginho no comando da equipe. Será o grande teste do treinador, que empatou com o Santos e venceu Avaí e Náutico.O dirigente não quis estipular um prazo para confirmar Jorginho no cargo. "Não adianta ter pressa e nem precisa, porque o time está respondendo muito bem. Podem ser cinco, dez dias."DUPLA COM EVAIR?O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo deve se reunir hoje com Jorginho, que já manifestou interesse em ser efetivado. Evair poderá ser seu auxiliar. "É possível, sim", limitou-se a dizer o mandatário. O custo de uma dupla Jorginho-Evair seria bem menor do que os R$ 650 mil que o Palmeiras gastaria para trazer Muricy e seu auxiliar Tata para o Palestra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.