Deco, expectativa pela conquista do 1º título em seu País

Após 13 anos no exterior e muitas conquistas, agora, aos 33 anos, ele está perto de entrar para a história do Nacional

Bruno Lousada / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2010 | 00h00

Títulos na Europa ele conquistou aos montes. Reconhecimento também. Mas faltava brilhar no seu País, de onde saiu em 1997, precocemente, com apenas duas partidas pela equipe principal do Corinthians. Após 13 anos no exterior, o meia Deco está perto de realizar um sonho: conquistar o primeiro título no Brasil. A ansiedade é grande e inevitável. Afinal, o líder Fluminense só precisa vencer seus dois próximos jogos - contra os reservas do Palmeiras e o Guarani - para acabar com jejum de 26 anos sem ganhar o Brasileiro.

Aos 33 anos, após passagens por Barcelona, Chelsea e Porto, Deco parece um iniciante diante da chance de vestir mais uma faixa de campeão. "Ser campeão aqui, depois de tantos anos fora, seria fantástico. Seria tudo diferente do que vivi", disse, dividido entre a esperança de erguer a taça e a cautela para não cantar vitória antes do tempo.

O tom do alerta é proporcional à vontade de terminar a temporada em grande estilo. Para a festa tricolor não virar pesadelo no dia 5 de dezembro, data da última rodada, a ordem é manter os "pés no chão" e o respeito total a Palmeiras e Guarani. "O problema não é quem vai estar do outro lado. Temos de controlar nossa cabeça. Se acharmos que vai ser fácil, não é bom. Temos de fazer o nosso jogo. Sabemos que não vai ser fácil", analisou.

Apesar da precaução, pelo menos fora de campo o clima de euforia já "bate ponto" nas Laranjeiras. Em cada canto da sede das Laranjeiras, seja no bar, na piscina ou na sauna, o assunto é um só: a proximidade de uma conquista histórica. "Só faltam duas vitórias", disse uma funcionária do clube.

Ela resume o espírito de uma torcida que promete invadir a cidade de Barueri, a cerca de 450 quilômetros do Rio, para acompanhar a decisão de domingo. "Temos condições de vencer os titulares do Palmeiras, mas podemos perder para os reservas se jogarmos mal. Quem entrar em campo vai querer mostrar trabalho", avisou Deco. Ele dá o jogo com o Goiás, há dez dias, como um exemplo recente de que favoritismo não é sinônimo de três pontos. Na ocasião, o Flu tropeçou, não saiu do 1 a 1 e perdeu a liderança. "O segredo é entrar tranquilo e fazer o nosso melhor".

Diante das insinuações de que o Palmeiras vai entregar o jogo para prejudicar o Corinthians, Deco saiu em defesa do técnico Felipão, de quem é amigo - naturalizou-se português para defender a seleção comandada por Felipão na Copa da Alemanha, em 2006. "Ele vai disputar uma competição que dá vaga na Libertadores e por isso é natural o interesse maior pela Sul-Americana. Poupar jogadores acontece no Barcelona, no Chelsea, no Porto... Mas, quando envolve título, sempre dá polêmica".

Se o Fluminense sagrar-se campeão, Deco já elegeu o grande responsável pelo feito histórico: o meia Conca. Para ele, o argentino tem sido decisivo e merece todos os elogios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.