Definição do grid tem importância de GP

A sessão que definirá o grid do GP da Abu Dabi, hoje, é quase tão decisiva quanto as 55 voltas da corrida, amanhã. A previsão é de Robert Kubica, da Renault, quinto mais veloz, ontem, nos treinos livres da última etapa da temporada, a que apontará o campeão do mundo. Apesar de duas longas retas, onde no final as ultrapassagens ocorrem com frequência, Red Bull, Ferrari e McLaren deverão ter ritmo semelhante, segundo explicou. O treino c0meça às 11 horas, de Brasília, com TV Globo.

, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2010 | 00h00

O resultado dos treinos reforça a opinião do piloto polonês. Lewis Hamilton, da McLaren, com o primeiro tempo, deu a entender que, a exemplo do ano passado, pode lutar pela pole, o que, se confirmado, muda os planos de Fernando Alonso, da Ferrari, terceiro ontem, Sebastian Vettel, segundo, e Mark Webber, ambos da Red Bull, quarto. Os três são os que têm maiores chances de ficar com o título. Hamilton, apenas matemáticas.

O desempenho de Vettel e Webber durante séries de voltas seguidas, ontem, era o melhor dos pilotos envolvidos na conquista do Mundial. Por isso, ao longo da prova, amanhã, tanto Alonso quanto Hamilton reconhecem que a vantagem é dos rivais. "Desde que larguem na frente", prevê o inglês.

Ele tinha o carro mais rápido em uma volta lançada, como será hoje na classificação. "Vettel e Webber sabem que é fundamental conseguir largar na frente de Alonso e agora Hamilton, pois se o espanhol estiver entre ambos no fim da corrida, e os três estiverem lutando pela vitória, Alonso será o campeão"", explicou Jackie Stewart, três vezes campeão do mundo.

Na sessão da tarde, a de maior representatividade do dia, também em razão de surpreendente leve chuva de manhã, a diferença entre Hamilton, primeiro, e Webber, quarto, foi de 427 milésimos.

Para quem não aproveitou os 21 minutos finais da pista, os de melhor aderência, o sexto tempo de Felipe Massa, da Ferrari, não representa resultado ruim. "Não conhecia a pista, não corri aqui no ano passado"", disse. Recuperava-se do acidente na Hungria. Oficialmente, parou por pane no sistema de alimentação de combustível. A suspeita é de que ficou sem gasolina. Rubens Barrichello, da Williams, ficou em 15.º. Lucas Di Grassi, Virgin, 22.º, e Bruno Senna, Hispania, 24.º.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.