Definidos judocas que vão ao Mundial

Por ser um esporte de luta, não se espera muita emotividade no judô, mas o que se viu neste domingo no Ginásio do Pinheiros foi muita emoção, choro e momentos de desabafo dos atletas que se classificaram para o Campeonato Mundial, que será realizado em setembro, no Egito. Nos combates, prevaleceu o alto nível dos atletas."Justiça" bradou a médio Tânia Ferreira depois de eliminar Daniele Zangrando. "Não foi nada contra Daniele, mas um desabafo porque me contundi o joelho direito na época da disputa da vaga da Olimpíada, e ao contrário de todos os atletas machucados que tiveram seus combates adiados para atuar em melhores condições, a Confederação Brasileira de Judô não meu deu esse benefício", explicou em lágrimas. "Na seqüência descobri outra contusão no ombro esquerdo e fiquei um ano sem treinar." Outro que não escondeu a emoção foi o ligeiro Denílson Lourenço. "Desde a Olímpíada de 2000 é a primeira vez que volto a ser titular da seleção do Brasil", disse o judoca. Segundo ele, para os atletas que estão fora das equipes olímpicas, sobreviver continua difícil. "Sempre na minha carreira só tive apoio das agremiações que defendi. Nunca tive um patrocínio", afirmou. "É complicado porque você depende muito dos resultados. Tenho mulher e três filhos e convivo com a realidade de que se não ganhar pode faltar para eles." A médio Márcia Lima, disse que a classificação vai mudar sua vida, depois de quase ter parado de treinar por quatro anos e voltado a um, dividindo os treinos com o trabalho de secretária em uma empresa de representações e de cinegrafista para sobreviver. "Meu chefe me deu folga para participar de algumas competições esse anos, mas combinamos que se eu ganhasse a vaga para o Mundial eu sairia para me dedicar exclusivamente ao judô", disse, com lágrimas nos olhos.A meio-médio Vânia Ishii e o leve Leandro Guilheiro também se emocionaram. "Estou chorando por tudo o que aconteceu comigo. Sofri uma série de contusões que afetaram minha virilha e ao mesmo tempo passei por um problema pessoal. Foi tudo junto", desabafou. Leandro conseguiu seu primeiro grande resultado desde a Olimpíada de Atenas, quando foi medalha de bronze. Depois dos Jogos, sofreu uma cirurgia no quadril e teve problemas na mão que o impediram de competir por um longo tempo.Confira os atletas classificados: Masculino - Ligeiro: Denílson Lourenço; Meio-leve: João Derly; Leve: Leandro Guilheiro; Meio-médio: Thiago Camilo; Médio: Carlos Honorato; Meio-pesado: Luciano Corrêa; e Pesado: Walter Santos. Feminino - Ligeiro: Daniela Polzin; Meio-leve: Fabiane Hukuda; Leve: Tânia Ferreira; Meio-médio: Vânia Ishii; Médio: Márcia Lima; Meio-pesado: Edinanci Silva; e Pesado: Priscila Marques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.